Autenticação






Notícias

Abril 2018

Concurso para construção dos acessos rodoviários ao Porto de Viana Castelo lançado até Junho

Concurso para construção dos acessos rodoviários ao Porto de Viana Castelo lançado até JunhoNo passado dia 21 de Março, a Ministra do Mar anunciou, durante a cerimónia de atribuição da Bandeira Azul à escola secundária de Santa Maria Maior (Viana do Castelo), o lançamento do concurso público com vista à construção dos acessos rodoviários ao porto de mar de Viana do Castelo até Junho e o início da obra em 2019.

«No acesso rodoviário estamos a fazer toda a pressão para que possa ser lançado o concurso antes do final do primeiro semestre deste ano», declarou Ana Paula Vitorino, estimando, também, que «o mais tardar», o lançamento do procedimento da empreitada de aprofundamento do canal de navegação de acesso aos estaleiros da WestSea, concessionária dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC) deverá acontecer em Junho.

A rodovia (com 8,8 quilómetros de extensão) fará a conexão com o porto comercial ao nó da A28, em São Romão de Neiva, possibilitando a retirada do tráfego de pesados do interior das vias urbanas. «Declarei a utilidade pública dos terrenos e, portanto, a tomada de posse administrativa está praticamente a acontecer. Assim que for tomada a posse administrativa, pode ser lançado o concurso», revelou a ministra.

Segundo Ana Paula Vitorino, chegou já à Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL) um pedido para que a «elaboração do caderno de encargo e o programa do concurso público» possa «avançar já». «Aquilo que está protocolado com a Câmara de Viana do Castelo é que será a Câmara a lançar o concurso ainda que a maioria do financiamento seja da APDL», disse, acrescentando que o desejo é o de «antecipar, o mais depressa possível, o concurso para que, no próximo ano, possa haver obra».

Parte do dossier da estratégia para o aumento da competitividade portuária, o investimento nos acessos ronda os 9,5 milhões de euros, suportados pela APDL e pela Câmara de Viana do Castelo. No que toca ao aprofundamento do canal de navegação, a empreitada custará cerca de 15 milhões de euros, suportado pela WestSea, e possibilitará o aumento para mais do dobro do número de navios a utilizar, no futuro, esta indústria naval.
Ler mais/Fonte: revistacargo.pt

 

UCC da GNR apreende meia tonelada de ouriços do mar a dois pescadores espanhóis

UCC da GNR apreende meia tonelada de ouriços do mar a dois pescadores espanhóisA Unidade de Controlo Costeiro (UCC) da GNR, através do destacamento de Matosinhos, apreendeu 502 quilos de ouriços do mar em Viana do Castelo. A operação decorreu ontem, no âmbito de uma fiscalização que tinha como alvo a pesca ilegal. Segundo nota da UCC da GNR, foram identificados indivíduos espanhóis.

«Não possuíam documentação exigida para transporte deste tipo de pescado, designadamente o documento de registo de molúsculos bivalves, equinodermes, tunicados e gastrópedes marinhos, pelo que foi levantado um auto de contraordenação», referiu a GNR.

A avaliação total do produto apreendido ascende aos 2.500 euros e tinha como destino o mercado galego. «Os ouriços do mar foram devolvidos ao seu habitat natural», referiu a GNR.

As autoridades recordam que o exercício da atividade de apanha está sujeito a licenciamento, a requerer anualmente à Direção Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos, através de formulário próprio. Existem ainda limitações diárias de quantidades permitidas, por cada indivíduo, de apanha, que no caso desta espécie marinha são 50 quilos.
Ler mais/Fonte: diariodominho.pt

 

A primeira viagem do maior navio de cruzeiro do mundo

A primeira viagem do maior navio de cruzeiro do mundoCentenas de pessoas acompanharam neste sábado (24/06) o início da primeira viagem do maior navio de cruzeiro do mundo. O Symphony of the Seas partiu do porto francês Saint-Nazaire pela manhã com destino à cidade espanhola Málaga. Sua viagem inaugural e sua primeira temporada será pelo Mar Mediterrâneo. No outono, o navio seguirá para o porto de Miami.

Pesando 228 mil toneladas, o Symphony of the Seas tem 362 metros de comprimento, apenas 20 metros a menos do que o edifício Empire State, em Nova York. Com 2,7 mil cabines, ele pode acomodar 8 mil pessoas, entre elas 2,2 mil tripulantes.

Essa cidade flutuante possui ainda um teatro, uma pista de gelo, um parque aquático, um jardim inspirado no Central Park de Nova York, uma quadra de basquete em tamanho real e um simulador de surfe. O Symphony of the Seas é ligeiramente maior do que o Harmony of the Seas, porém, é mais rápido e silencioso do que o navio de cruzeiro que até então era o maior do mundo.

onstruído ao longo de dois anos pelo estaleiro francês STX, o Symphony of the Seas foi comprado por 1 bilhão de euros pela empresa americana de cruzeiros Royal Caribbean. Ele foi o 13º navio fabricado pela STX para a companhia dos EUA.
Ler mais/Fonte: dw.com

 

 

   

Dezembro 2017

Os Plásticos nos Oceanos - Ação internacional e europeia

Os Plásticos nos Oceanos - Ação internacional e europeiaTeve lugar no passado dia 8 de Novembro de 2017, em Bruxelas, por iniciativa do Intergrupo 'Mudança Climática, Biodiversidade e Desenvolvimento Sustentável' do Parlamento Europeu e do Gabinete Regional Europeu da IUCN, com o patrocínio do Principado do Mónaco, um Colóquio subordinado ao tema 'Marine Plastics need European Action'.

O objetivo era debater o problema dos resíduos plásticos existentes nos mares e oceanos e as implicações de tal situação a nível ambiental, económico e de saúde pública, tudo no contexto do Plano de Ação europeu para a economia circular e da prevista 'Estratégia sobre Plásticos'.

Participaram neste Colóquio o Dr. Fernando Correia Cardoso, Assessor Jurídico na Direcção-Geral 'Assuntos Marítimos e Pescas' da Comissão Europeia e membro da International Association for the Law of the Sea, o Doutor Fausto Brito e Abreu, Director-Geral de Política do Mar de Portugal, e o Dr. Frederico Cardigos, Coordenador do Gabinete de Representação dos Açores em Bruxelas. No Colóquio estiveram presentes representantes das Nações Unidas, de instituições europeias, de governos nacionais, da sociedade civil e do sector privado.

O Colóquio consistiu essencialmente num painel que discutiu a dimensão do problema e as respostas que podem ser dadas. Os pontos mais salientes das intervenções foram os seguintes: no âmbito internacional, o impacto económico do plástico para a biodiversidade marinha e para as frotas de pesca necessita de ser encarado numa perspetiva simultaneamente global, nacional e regional, através de parcerias fortes com o sector privado e com base no melhor conhecimento científico e de natureza técnica. Para tal, torna-se necessário criar incentivos de regulação e económicos, reduzir a produção de plásticos não recuperáveis e de uso único, e comprometer os cidadãos em geral. As Nações Unidas têm promovido a campanha 'Clean Seas' e organizam a Assembleia Ambiental, em dezembro do corrente ano, em Nairobi, nela incluindo o tema 'Poluição no Mar'. No âmbito europeu, foi realçado o espectro de instrumentos legislativos existente sobre resíduos e plásticos, que em muito pode contribuir, se devidamente aplicado, para minorar o problema.
Ler mais/Fonte: revistademarinha.com

 

Em 2018 a Madeira recebe nova regata

Em 2018 a Madeira recebe nova regataA regata Madeira 950 Ocean Race é o prestigiante evento internacional de vela que chegará aos mares da região no próximo ano.

Com inicio em junho, a viagem de ida e volta entre a cidade italiana de Livorno e o Funchal, terá um total de 3.000 milhas náuticas, cuja organização faz questão de escolher este destino para acolher o evento. Esta primeira edição da regata é destinada às velozes embarcações da Classe 950, mas também poderão participar as embarcações da Classe 40 e os Sun Fast 3600 do armador francês Jeanneau.

Nesta viagem pelo Mar Mediterrâneo e pelo Oceano Atlântico, estão previstos diversas passagens obrigatórias, com direito a prémios, nomeadamente pela Ilha de Porquerolles (Prémio França), a ilha de Maiorca (Prémio Maiorca), Gibraltar (Prémio Colunas de Hércules) e a chegada a Funchal, onde o vencedor irá conquistar o ‘Prémio Oceano’. Já no regresso, as tripulações deverão passar por Ibiza (Prémio Ibiza), Bocas de Bonifácio na Sardenha (Prémio Bonifácio) e por fim, na chegada, a Riva di Traiano (Roma), onde será entregue o Troféu Madeira 950 Open Race..
Ler mais/Fonte: visitmadeira.pt

 

Volvo Ocean Race Aumenta a pressão!

Volvo Ocean Race Aumenta a pressão!Após mais um fim de semana tranquilo para os que estão em terra, aproxima-se a batalha final do Atlântico Sul, com a frota da Volvo Ocean Race a menos de 1500 milhas da Cidade do Cabo. Chegou a hora dos navegadores e dos skippers encontrarem a rota certa, e os ventos de feição para chegar ao Cabo. Toda a frota ruma agora para este, com o Mapfre a liderar tendo o Brunel por perto. Com o aumento do vento também sobem as velocidades, o Vestas 11th Hour Racing persegue o duo da frente e vai a fazer 20/25 nós, com 30 de vento.

Na cauda do pelotão, o Scallywag e o Turn The Tide On Plastic continuam um verdadeiro “match racing” no Atlântico Sul, como escreveu a skipper Dee Caffari “Finalmente conseguimos separar-nos do Scallywag por algumas horas e estivemos cerca de 30 milhas afastados, mas acabamos por nos cruzar novamente por estibordo. É incrível como estamos tão perto tanto tempo!.

Foi uma prova de match racing no Hemisfério Sul, “ disse Caffari “Os que estão mais a sul estão mais rápidos, como previsto, mas todos nós estamos com boa pressão de vento, e o tamanho das ondas também aumentou com o vento. É sempre complicado quando navegamos à noite, pois tudo parece muito pior no escuro, é tudo mais fácil até começar a cair a noite. “A Cidade do Cabo parece que se está a aproximar , e vamos manter este rumo por um bom bocado.”
Ler mais/Fonte: nauticapress.com

 

 

   

Setembro 2017

Europa levanta o véu para a nova era dos navios autónomos

Europa levanta o véu para a nova era dos navios autónomosFoi pela voz de Violeta Bulc, Comissária Europeia dos Transportes, que a União Europeia mostrou a sua visão para o desenvolvimento daquilo que se perspectiva ser uma nova era do ‘shipping’, dominada pela automação e pelos navios autónomos. Embora entusiasmada com as perspectivas futuras, a Comissária alerta que os postos de trabalho que hoje conhecemos mudarão radicalmente.

Num seminário que teve lugar no Parlamento Europeu, em Bruxelas, o tema central foram os navios autónomos ao serviço do ‘shipping’. Violeta Bulc salienta que os navios autónomos são apenas parte de um todo mais vasto de «uma rede multimodal totalmente integrada» – que irá ditar o fim de uma era onde os sistemas de transportes foram desenvolvidos modo-a-modo, de forma individual, com prejuízos evidentes para a sociedade e para o ambiente.

«Um sistema de transporte totalmente integrado será altamente automatizado e por conseguinte mais seguro e mais eficiente. Os utilizadores, as infraestruturas e a carga estarão conectados uns aos outros. A informação vai permitir que possamos gerir melhor a capacidade, seja uma estrada, um contentor ou um estacionamento», acrescenta.

«Num sistema desses, um navio autónomo chegará ao porto e, graças à internet das coisas, a carga estará, ela própria, ciente de onde deve estar e quando deve estar aí. Os comboios não mais deixarão os portos semi-vazios e a carga chegará ao seu destino a tempo e em perfeitas condições, emitindo muito menos CO2, poluição atmosférica, barulho ou acidentes do que nos dias de hoje», antecipa a Comissária Europeia.
Ler mais/Fonte: portosdeportugal.pt

 

Ministra do Mar promove protocolo de apoio à Biomarine Business Convention 2017

Ministra do Mar promove protocolo de apoio à Biomarine Business Convention 2017A Ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, vai promover a assinatura de um protocolo entre a Direção-Geral de Política do Mar, a Direção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos e a Biomarine Organization Clusters Association, na próxima sexta-feira, 25 de agosto, às 12.30h na Gare Marítima de Alcântara.

O protocolo visa materializar o apoio de Portugal à realização da Convenção de Negócios BIOMARINE 2017, destinada a impulsionar e apoiar as organizações e empresas ligadas ao Mar.

A BIOMARINE é um evento anual, que tem como objetivo promover oportunidades de negócio e o desenvolvimento de investimentos na área da biotecnologia azul e dos novos recursos marinhos. Este ano realiza-se em Rimousky, Quebec, no Canadá, de 1 a 3 de outubro.
Ler mais/Fonte: nauticapress.com

 

Pescado rastreado até ao prato

Pescado rastreado até ao pratoPromete revolucionar a indústria da pesca sustentável à escala global, indo de encontro à crescente preocupação relativa ao consumo sustentável de pescado e à certificação da origem dos produtos marítimos.

Estamos a falar da Big Eye Smart Fishing, uma plataforma digital desenvolvida nas Caldas da Rainha que está a ser apresentada em Vigo, Espanha, no âmbito da edição 2017 da Conferência Mundial do Atum.

O software permite a gestão de frotas pesqueiras em tempo real, fornecendo uma visão 360° das operações realizadas no mar e em terra. Através da rastreabilidade digital, oferece-se «total controlo sobre o nível de transparência dos fornecedores de peixe, localização e datas da apanha», garante ao Destak a empresa responsável pela tecnologia.

São ainda fornecidos outros detalhes de «grande utilidade para uma escolha responsável». Refira-se que a rastreabilidade digital no setor alimentar é um setor cada vez mais disputado globalmente, prevendo-se que valha cerca de 14 mil milhões de dólares em 2019.

O Porto de Leixões acolhe hoje a apresentação da BIZCARGO, uma plataforma para o transporte de mercadorias que permite procurar, combinar e comparar os melhores serviços de transporte e logística com soluções multimodais porta a porta. Após um investimento de meio milhão de euros, a empresa diz que «qualquer utilizador, seja empresa ou individual, pode procurar a melhor solução entre os vários operadores de serviços logísticos do mercado, obter a melhor cotação, executar o booking eletrónico e fazer o acompanhamento da mercadoria».
Ler mais/Fonte: destak.pt

 

 

   

Julho e Agosto 2017

Os tesouros do fundo do mar

Os tesouros do fundo do marA história do ataque do impiedoso comandante alemão Lapiere, bem como a façanha do pequeno rebocador Galgo, ao serviço da Marinha portuguesa, que resgatou ao mar os tripulantes dos navios naufragados, é o tema central de um episódio da SIC, de uma série de quatro reportagens especiais sobre naufrágios, a serem emitidas todas as quintas-feiras de julho, no final do Jornal da Noite.

Aqui Há História mergulhará primeiro no Highland Hope, que, nos anos 30, encalhou nos Farilhões, junto às Berlengas. Quase 90 anos depois, é ainda possível reconstituir a noite em que meio milhar de passageiros foram salvos pelos pescadores de Peniche – os mesmos que acabaram por ficar com parte do recheio do navio que ligava a Europa à Argentina.

Na foz do Tejo, junto ao Bugio, a SIC mostrará o que resta do Patrão Lopes, o navio herói do salvamento nacional, que se perdeu à vista de Lisboa em 1936. O último mergulho transporta-nos à II Guerra Mundial, ao afundamento de um cargueiro britânico ao serviço do esforço de guerra, o SS Dago, atingido por um bombardeiro alemão que, violando o espaço aéreo português, saiu de França, sobrevoou Espanha e desferiu um ataque aéreo sobre o SS Dago, ao largo de Peniche.
Ler mais/Fonte: visao.sapo.pt

 

1º Concurso de Fotografia – “Viana e o Mar 2017″

1º Concurso de Fotografia – “Viana e o Mar 2017″O Centro de Mar de Viana do Castelo lança hoje, dia 12 de julho, o 1º concurso de fotografia subordinado ao tema “Viana e o Mar 2017”, destinado a fotógrafos profissionais e amadores.

Este concurso tem como objetivo promover a cultura e as tradições marítimas de Viana do Castelo, propondo um olhar documental ou artístico sobre as zonas costeiras e ribeirinhas, turismo balnear, desportos náuticos, atividades económicas e as gentes ligadas ao mar.

Os interessados em participar devem requerer o regulamento através do email: Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar
Ler mais/Fonte: nauticapress.com

 

Vidas de sal

Vidas de salAntes de chegar à foz, o Mondego divide-se em dois braços que depois se encontram novamente para desaguar juntos no mar. Entre eles, está a ilha da Murraceira, 600 hectares de sapais, caniçais, juncais e salinas, vizinhos da Figueira da Foz. É por aqui que seguimos, percorrendo uma estrada estreita em terra batida, entre talhos e tanques de aquacultura, ou talhões abandonados.

Gilda Saraiva pára em frente ao esqueleto de um pequeno armazém de madeira. Há vários por aqui, muitos ao abandono, outros a ser recuperados. Os armazéns eram construídos com troncos em cruz para se adaptarem às oscilações do terreno, causadas pelas movimentações das águas, num sistema de gaiola, explica esta marnoteira formada em Arquitectura. Tinham que ser feitos em madeira, para resistir à oxidação que o sal provoca, num sistema de encaixe que dispensa pregos. Esta saiu do pinhal de Leiria.

Seguimos. Vemos pernilongos, andorinhas do mar, uma menina a chapinhar na água, tal como Gilda fazia quando tinha a idade dela (tem agora 37 anos). Chegamos à salina dos Doutores, uma sucessão de rectângulos em cinzento escuro, rodeados de plantas.

As limpezas começaram no início de Maio e continuam. Estamos em Junho. “Tirámos o lodo e as algas que nasceram no Inverno”, afirma. “É preciso retirar toda a água, a argila fica rija e já se pode andar lá em cima. Recolhemos a lama, transportamos para montes e depois de dois Invernos, já sem salitre, usamos na agricultura, porque é rica em sais minerais”.

Gilda Saraiva não é só uma marnoteira. Faz também agricultura biológica aliada à salina: figos, morangos, mirtilos, ervas aromáticas (que adiciona ao sal), alhos, cebolas... O sal não é assim tão diferente. “Também há anos maus. Se chove no Verão não há sal, ou demora mais tempo”. A safra vai de Maio até às primeiras chuvas de Setembro. “Pelo meio, nunca sabemos.” Se tudo correr bem, pode produzir 100 toneladas de sal e duas toneladas de flor de sal, embalado nos pacotes Amor com Sal q.b. “A técnica? Todos os anos a salina nos ensina, porque todos os anos é diferente”.
Ler mais/Fonte: publico.pt

 

 

   

Maio e Junho 2017

O Dongfeng Race Team apresenta a sua tripulação para a Volvo Ocean Race

O Dongfeng Race Team apresenta a sua tripulação para a Volvo Ocean RaceQuando faltam 160 dias, para a largada da mais dura competição offshore de volta ao mundo com tripulantes, a 22 de outubro em Alicante, Espanha, o Dongfeng Race Team apresentou a equipa de 12 velejadores, de seis nacionalidades que combina juventude com experiência.

iderada pela segunda vez consecutiva pelo francês Charles Caudrelier, entre os tripulantes contam-se cinco vitórias na Volvo Ocean Race, cinco campanhas Olímpicas e 32 Solitaire du Figaro (incluindo cinco vitórias). Para além do Charles Caudrelier, a equipa conta com o vencedor da Solitaire du Figaro e da Transat Jacques Vabre, Pascal Bidegorry, que regressa como navegador. Um recordista de vela ocêanica, Bidegorry foi o braço direito do Charles Caudrelier na última edição, e desempenhou um papel fundamental com a meteorologia e na estratégia da equipa.

O francês Kevin Escoffier dispensa apresentações na vela oceânica, foi um dos pilares da última campanha, e também está de volta à equipa. O Kevin Escoffier não é apenas um brilhante velejador oceânico, mas também um reputado construtor naval. Já anunciados estão os neozelandeses Stu Bannatyne, que vai participar na regata pela oitava vez, e o Daryl Wislang que venceu a última edição com o Abu Dhabi Ocean Racing. Também na equipa temos o Jeremie Beyou, o francês terminou a última Vende Globe no pódio e é um especialista em vela oceânica one-design, fará a sua primeira participação na Volvo Ocean Race. Bannatyne, Wislang e o Jeremie Beyou vão repartir as responsabilidades de serem os chefes de turno no Dongfeng.

As duas estrelas femininas da equipa são a francesa Marie Riou, quatro vezes campeã do mundo de Nacra 17, e a holandesa Carolijn Brouwer, que já participou duas vezes na Volvo Ocean Race em equipas femininas. Na proa, e também ao leme temos o velejador australo/britânico Jack Bouttell, um veterano com três participações na Solitaire du Figaro. Como antes, o compromisso do Dongfeng Race Team é ajudar a criar as bases para a vela oceânica na China, e a tripulação conta com três jovens velejadores chineses – Yang Jiru (Wolf), Xue Liu (Black) e o Jinhao Chen (Horace) – que foram seleccionados em 2014-15 e cumpriram todos os programas de treinos. A comentar a equipa completa pela primeira vez , Charles Caudrelier disse: “Eu quis um grupo de pessoas a bordo que se tornem mais fortes na adversidade, nunca desistam e que também se divirtam nesta longa epopeia. E acrescentou: “Vamos viver juntos nos próximos meses. Vamos estar molhados, com frio, zangados, com calor, exaustos e desesperados para dormir de vez em quando, por isso, as nossas relações têm que ser muito fortes para aguentar tamanha pressão. Estou muito contente com a equipa que construímos, e estou confiante que estamos talhados para a missão temos à nossa frente”.

Nesta campanha, o Dongfeng Race Team quer melhorar o resultado da sua impressionante estreia na Volvo Ocean Race, quando surpreenderam os especialistas e os fãs terminando em terceiro lugar da classificação geral. “A chave tem sido usar a nossa experiência adquirida na edição 2014-15 e trabalhar em cima disso, e não nos podemos fiar” disse, o Diretor da Equipa Bruno Dubois na conferência de imprensa. “Nomear o Charles Craudelier como skipper foi o primeiro passo. Eu sei, que o Charles está mais determinado do que nunca em melhorar o seu fabuloso resultado de há três anos, e demonstrou que tem capacidades de liderança para lidar com desafio único de comandar o Dongfeng Race Team. Mas, acrescentamos alguns ingredientes novos ao nosso mix – homens e mulheres de grande estirpe que trazem experiência e fome de vitórias, e vão ao encontro dos nossos objetivos,” acrescentou Bruno Dubois. Guillaume Semblat, CEO da OC Sport, a empresa que gere esta campanha, não deixa de homenagear a Dongfeng Motor Corporation por regressar à prova: “Para nós na OC Sport, ter um parceiro deste calibre, tão envolvido com o que estamos a fazer, é de extrema importância e estamos encantados por poder gerir esta segunda participação numa das mais duras competições desportivas do mundo”.
Ler mais/Fonte: nauticapress.com

 

Peniche assinala o Dia Nacional do Pescador

Peniche assinala o Dia Nacional do PescadorDe 31 de maio a 4 de junho, o Município de Peniche levará a cabo as comemorações do “Dia Nacional do Pescador”, prestigiando a profissão e os contributos dos profissionais cuja atividade está ligada ao mar.

No dia 31 de maio, a data assinalada por decreto governamental de 1997 para esta celebração, o Município irá colocar em exposição, na Praça Jacob Rodrigues Pereira, a embarcação salva-vidas “Peniche”, que foi reabilitada pela Câmara Municipal de Peniche. Na noite do dia 3 de junho, no Auditório da Câmara Municipal de Peniche, será apresentado o livro “Naufrágios e Náufragos”, de Fernando Engenheiro.

No dia 4 de junho, as comemorações terão início às 9 horas, com o lançamento de foguetes, seguindo-se um seminário às 10 horas, no Auditório da Câmara Municipal de Peniche, que incidirá sobre a Fileira Socioeconómica da Pesca e que contará com a presença do Secretário de Estado das Pescas- José Apolinário. Ainda durante a iniciativa da manhã no Auditório, haverá lugar à apresentação pública do projeto “Mar Portuguez” – conservas de Chef, seguida da exibição do filme 3D “Mar Portuguez” de Edgar Pêra, rodado em Peniche, e de uma degustação de conservas no quadro do mesmo projeto. Será também apresentado o “Projeto Animal no Life Berlengas” por professores e alunos da Escola EB 2,3, D. Luís de Ataíde e inaugurada uma exposição no âmbito desta temática, que estará patente até ao dia 19 de junho.

Às 13 horas, terá lugar o tradicional almoço-convívio em homenagem ao pescador de Peniche, servido na cantina municipal. À tarde prosseguem as festividades na Ribeira Velha, com a deposição de uma coroa de flores no monumento ao pescador, a cerimónia de homenagem às organizações de produtores de produtos da pesca com sede em Peniche. Para além da já tradicional sessão de fados com o reconhecido fadista António Severino, a edição deste ano do Dia do Pescador será enriquecida com uma atuação da Banda da Armada.

As comemorações do dia encerram com a celebração de uma Eucaristia em homenagem aos Homens do Mar, às 19 horas, na Igreja de Nossa Senhora da Ajuda. Estas festividades são uma organização da Associação Mútua Financeira Livre dos Armadores da Pesca Geral (AMAP), da Câmara Municipal de Peniche, da Cooperativa dos Armadores de Pesca Artesanal, Crl (CAPA) e do Sindicato dos Trabalhadores da Pesca do Centro.
Ler mais/Fonte: nauticapress.com

 

Cascais acolhe um dos mais importantes circuitos do mundo de regatas à vela

Cascais acolhe um dos mais importantes circuitos do mundo de regatas à velaO Clube Naval de Cascais recebe, este ano e pela primeira vez em Portugal, o Cascais Dragon World Championship, um dos mais importantes circuitos do mundo de regatas à vela, que se realiza de dois em dois anos e que contará com a participação dos melhores velejadores nacionais e internacionais desta classe, que disputam o troféu de uma das regatas mais difíceis de vencer no mundo da vela.

Ao longo dos nove dias de evento são esperados cerca de 4.000 visitantes para assistirem a um evento recheado de estrelas, que participam com 72 barcos, provenientes de vários países. Especial destaque para a frota do Reino Unido, constituída por 12 Dragões, a da Alemanha por 8 e a Austrália e a França com 7 barcos cada. No total, o Clube Naval de Cascais será o anfitrião de 18 países, incluindo a Alemanha, Austrália, Bélgica, Dinamarca, Emiratos Árabes Unidos, Espanha, Estónia, França, Grécia, Holanda, Hungria, Irlanda, Japão, Mónaco, Reino Unido, Rússia, Suécia e Turquia.

Portugal estará representado com uma frota de 11 barcos de respeito e com velejadores de elevado gabarito, como José Sotto Mayor Matoso, Gustavo Lima e Frederico Melo, campeões Europeus em 2013 em Cascais. De referir ainda a participação de Patrick Monteiro de Barros, oito vezes Campeão Nacional Dragão e Velejador Olímpico que terá na sua equipa Alvaro Marinho, que conta com 4 diplomas olímpicos, 2000, 2004, 2008 e 2012.

Outros velejadores de renome marcarão presença, como: Hugo Rocha medalhado Olímpico (Atlanta 1996) e Campeão mundial de várias classes; Bernardo Freitas 1 participação Olímpica, com diploma (Londres 2012), 3º lugar na Red Bull Youth America’s Cup em 2013, vencedor da Gold Cup Dragão 2016 e, atualmente, participa como advisor na Red Bull Youth America’s Cup; Diogo Cayolla com três participações Olímpicas, Atlanta em 1996, Sydney no ano 2000 e Atenas em 2004. Conta com diversas vitórias internacionais e é Campeão Nacional em várias Classes; Match Racing Optimist, Snipe, Star, Sb20, Keelboats. Participou em circuitos internacionais como TP52, RC44, Extreme 40, GC32 entre outros; Nuno Barreto, medalhado Olímpico em Atlanta no ano de 96 e velejador da America’s Cup; Jorge Lima e José Costa velejadores olímpicos na classe 49er; Afonso Domingos que conta 4 participações Olímpicas nas classes 49er, Star e Nacra.

A participação internacional estará, igualmente, bem representada em número e qualidade, com uma lista de inscritos verdadeiramente notável, da qual constam personalidades de incontestada influência do panorama socioeconómico mundial, incluindo vários membros da realeza e de diversos governos. Em competição no Cascais Dragon World Championship estarão cerca de 230 velejadores, dos quais salientamos os melhores do planeta nesta classe, como os dois últimos Campeões do Mundo, Yevgen Braslavets (2015) e Klaus Diedrichts (2013). Também Lawrie Smith Velejador da Volvo Ocean Race, Andy Beasdworth Velejador da America’s Cup e campeão mundial dragão. A relevância do evento Cascais Dragon World Championship reflete-se também ao nível da economia local, uma vez que os velejadores virão acompanhados por cerca de 300 pessoas, provocando um impacto económico muito positivo em Cascais.
Ler mais/Fonte: ionline.sapo.pt

 

 

   

Março 2017

Apresentação da Fundação ‘Oceano Azul’

Apresentação da Fundação ‘Oceano Azul’Teve lugar na manhã de 17 de Março, no Convento do Beato, a apresentação pública da Fundação ‘Oceano Azul’. Esta Fundação foi criada, recentemente, pela família Soares dos Santos, proprietária da cadeia de Supermercados “Pingo Doce”, referindo-se na “carta do Fundador” que ... o maior desafio da nossa geração é garantir que o planeta que deixamos à nossa descendência é mais sustentável e resiliente do que aquele que temos hoje. Os oceanos são o fator-chave desse legado ... o século XXI será o século dos oceanos.

A cerimónia iniciou-se com a projeção de um curto filme, muito inspirador, acerca da necessidade de ouvir os oceanos e de promover a sua preservação e utilização sustentável. Seguiu-se uma intervenção de José Soares dos Santos, Presidente do Conselho de Curadores da Fundação e biólogo marinho de formação, a que se seguiu uma muito interessante mesa-redonda, conduzida por Tiago Pitta e Cunha, Presidente da Comissão Executiva da Fundação e com a participação da Princesa Laurentien van Oranje-Nassau, Jane Lubchenco e Nuno Vieira Matias, curadores, e de Julie Packard e Viriato Soromenho-Marques, consultores especiais do Conselho de Curadores. Encerrou os trabalhos o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que agradeceu em nome dos Portugueses a generosidade da família Soares dos Santos, enalteceu a importância da Fundação e dos seus propósitos, e anunciou o seu desejo de condecorar, oportunamente, o empresário e filantropo Senhor Alexandre Soares dos Santos. O evento terminou com um agradável almoço volante que permitiu a confraternização entre as cerca de quatro centenas de pessoas que assistiram à cerimónia.

A Fundação assenta em três pilares: a literacia oceânica - preparar uma ‘geração azul´ através de programas educativos para crianças em idade escolar; a conservação do oceano - proteger, valorizar e promover o nosso capital natural azul, apoiando as áreas marinhas protegidas; e a capacitação, promovendo uma governação integrada dos oceanos com base em princípios éticos e enraizada no conhecimento científico. A Fundação, embora esteja sedeada em Portugal, visa um alcance mundial, global. O Conselho de Administração, de que Tiago Pitta e Cunha será o CEO, terá um orçamento mínimo anual de 5,5 M€, que incorpora como3854 contributo o rendimento do Oceanário de Lisboa e que passará a ser gerido pela Fundação. O Oceanário - recorde-se - em 2016, teve mais de 1,25 milhões de visitantes, 109.000 crianças foram abrangidas por programas educativos e realizaram-se investimentos de 1,6 M€ em infraestruturas e áreas circundantes.
Ler mais/Fonte: revistademarinha.com

 

Porto de Lisboa ganha um dos maiores eventos de cruzeiros do mundo

Porto de Lisboa ganha um dos maiores eventos de cruzeiros do mundoO Porto de Lisboa venceu a organização da Seatrade Cruise Med, uma das maiores feiras de cruzeiros do mundo. A notícia foi dada esta sexta-feira, 17 de Março, pela Ministra do Mar, Ana Paulo Vitorino, durante a sessão de apresentação da estratégia para o aumento da competitividade portuária, realizada no Porto de Lisboa.

A Seatrade, após avaliação das condições da capital portuguesa para receber o prestigiado evento considerou Lisboa a cidade ideal para a realização da sua 12ª edição, que ocorrerá em Setembro de 2018, e pela primeira vez em Portugal. A candidatura do Porto de Lisboa foi apoiada pelo Ministério do Mar, pela Câmara Municipal de Lisboa, pelo Turismo de Portugal, pela Associação Turismo de Lisboa e pela Lisbon Cruise Terminals.

A Seatrade Cruise Med é um evento bienal de dois dias e meio muito focado no Mediterrâneo e nos seus mares adjacentes, o segundo destino mundial de cruzeiros. Expositores de todo o mundo, incluindo várias novas empresas de cruzeiro, reúnem-se para mostrar os seus produtos e as inovações do setor. Este evento internacional é dos mais importantes na área de cruzeiros, e envolve entre quatro e cinco mil participantes, incluindo armadores e representantes de autoridades portuárias, além de cerca de 200 expositores.

Ana Paula Vitorino, Ministra do Mar, considera que com a vitória desta candidatura “Portugal afirma-se cada vez mais como player de referência mundial no setor dos cruzeiros, com todas as vantagens que a região e o país daí retiram, tanto em valor económico como em notoriedade para a cidade e o país.” Para Lídia Sequeira, Presidente da Administração Porto de Lisboa (APL), “esta vitória é o reconhecimento do trabalho que temos vindo a fazer, no setor dos Cruzeiros. A expetativa é que este evento venha a ser mais um agente dinamizador da economia deste setor”.

Há uns meses uma publicação da MEDCRUISE considerava que “Lisboa tem a localização ideal para servir de porto de ligação ou porto base para cruzeiros entre o Mediterrâneo, o Norte da Europa e as ilhas do Atlântico. Com uma ampla escolha de hotéis, um aeroporto com voos regulares para a maioria dos destinos europeus e Brasil, os voos mais curtos para a América do Norte e do Sul a partir do continente europeu, além de história, eventos culturais e pontos de lazer, Lisboa é ideal para cruzeiros em trânsito ou em operação de turnaround”. Por altura da realização da Seatrade Cruise Med, o Porto de Lisboa já terá o novo terminal de cruzeiros em pleno funcionamento, que se espera venha a ser inaugurado ainda durante o 1º semestre de 2017. O terminal será uma ferramenta importante para fazer crescer o mercado de cruzeiros na capital portuguesa, depois de em setembro passado o Porto de Lisboa ter conquistado pela segunda vez o prémio de “Melhor Porto de Cruzeiros da Europa” nos World Travel Awards. Nestes prémios internacionais a cidade de Lisboa também saiu vencedora ao receber, pela terceira vez, o prémio de “Melhor Destino de Cruzeiros da Europa”.
Ler mais/Fonte: portosdeportugal.pt

 

João de Macedo no Big Wave Tour 2017

João de Macedo no Big Wave Tour 2017Após a entrada de Frederico Morais no World Tour, João de Macedo é a mais recente adição à armada Portuguesa na elite do Surf Mundial em 2017. Com um inverno super activo, João Macedo investiu no treino e preparação para o Mundial de Ondas Grandes na Nazaré, onde alcançou um excelente 3º lugar. A noticia foi confirmada directamente pelo comissário Peter Mel, afirmando que o 9º lugar de João Macedo no ranking final do mundial de ondas grandes garante o regresso do surfista Português à Elite do surf mundial em 2017.

Unanimemente visto como o mais destacado surfista de ondas grandes em Portugal, o surfista da Praia Grande foi o primeiro surfista Português e Europeu a qualificar-se para o mundial de remada de ondas grandes em 2011, terminando no 4ª lugar na época 2012/13. Regressa agora passado 4 anos ao mundial de ondas grandes.

Em declarações, João de Macedo refere : “Acima de tudo é uma honra enorme voltar ao tour, representar Portugal a este nível é algo de sonho, quero agora voltar agora a treinar e dar o meu máximo para representar as cores de Portugal, sempre inspirado pelos meus alunos da Surf Academia e acima de tudo conseguir fazer uma excelente prestação na próxima temporada. Um grande obrigado ao EDP Mar Sem Fim pela bolsa Tour que vai dar uma forte ajuda e arranque para correr o mundial e espero agora conseguir reunir os apoios todos necessários para correr o circuito na totalidade”.

O Big Wave Tour é composto por etapas em algumas das maiores ondas do mundo dividido por dois períodos de espera (hemisfério Sul e Norte) e para 2017 estão já confirmadas as seguintes etapas:

BWT #1 – Upcoming: May 01 – Aug 31 – Pico Alto Challenge (Lima, Lima Provice, Peru)
BWT #2 – Upcoming: May 01 – Aug 31 – Puerto Escondido Challenge (Oaxaca, Mexico)
BWT #3 – Upcoming: Oct 15 – Dec 31 – Nazare Challenge (Nazare, Portugal)
BWT #4 – Upcoming: Oct 15 – Dec 31 – Pe’ahi Challenge (Maui, Hawaii, U.S.A.)
Ler mais/Fonte: portodelisboa.pt

 

 

   

Novembro 2016

RC44 Championship Tour: novo formato do circuito anunciado para 2017

RC44 Championship Tour: novo formato do circuito anunciado para 2017Uma década desde o seu lançamento, a RC44 Championship Tour anuncia um novo formato do circuito, para a temporada de 2017. De referir que, no modelo atual, realizavam-se 1 dia de treinos, 1 dia de match racing e 4 dias de fleet racing e passará a ter 1 dia para match racing e treinos e 4 dias de fleet racing! Com três ou quatro regatas por dia, num evento de quatro dias, o RC44 Championship Tour fica, com igual número regatas, mas reduz um dia em cada evento. Esta alteração, significativa ao nível do calendário, facilitará a gestão das agendas como também reduzirá custos.

A temporada de 2017 será composta por cinco eventos europeus e, mais uma vez, o Clube Naval de Cascais, considerado pela classe como o “sailor’s favourite stop”, está na rota do RC44 Championship Tour, com o evento agendado para 28 de Setembro e que decorrerá até 1 de Outubro.

Idealizado por Russel Coutts, desenhado pelo arquiteto naval esloveno Andrej Justin, o RC44 é uma embarcação de grande performance, um modelo ‘One-design’ que assegura que todos os barcos sejam rigorosamente iguais na sua construção. É veloz, é um monotipo muito inventivo, com uma parte da popa retrátil, a quilha-bulbo também é amovível e o mastro divide-se em três partes o que permite o transporte em contentores de 40 pés, facilitando a logística.
Ler mais/Fonte: nauticapress.com

 

Navio ‘Funchal’ chegou há 55 anos ao porto que lhe deu o nome

Navio ‘Funchal’ chegou há 55 anos ao porto que lhe deu o nomeA 5 de Novembro de 1961, há 55 anos, o paquete ‘Funchal’ dobrava o promontório do Garajau e dava-se a mostrar, num domingo chuvoso, aos milhares de pessoas que o aguardavam na baía da cidade que lhe deu o nome.

O novo navio da frota mercante portuguesa, encomendado pela Empresa Insulana de Navegação (EIN) a um estaleiro dinamarquês, irrompia, assim, na enseada do Funchal, rasgando águas atlânticas, naquela que foi a sua primeira escala na carreira entre Lisboa e as então denominadas ilhas adjacentes, Madeira e Açores.

Lançado à água na Dinamarca a 10 de Fevereiro de 1961, o navio só teve viagem inaugural nove meses depois, com partida do porto de Lisboa a 4 de Novembro, com 206 passageiros, escalando o Funchal, Ponta Delgada e Angra do Heroísmo. No Funchal, recolheu mais 113 viajantes.

No dia da chegada ao território madeirense, o DIÁRIO de Notícias estampava “O ‘Funchal’ na sua primeira viagem chega hoje ao nosso porto” e o Jornal da Madeira anunciava “’Funchal’ - nova cidade transatlântica visita hoje a Madeira”. O navio tinha casco preto, superestrutura branca e chaminé amarela rematada por uma lista preta. “Lembro-me desse dia”, recorda Rui Camacho, que se tornou passageiro frequente na ligação com São Miguel, ilha onde o pai geria a Fábrica de Tabacos Estrela e para onde se dirigia todas as férias de Verão, até 1972. “Encontrava-me na cidade, pois a hora da chegada tinha sido anunciada pelos jornais e milhares de pessoas fixavam, então, o olhar para a zona do Garajau, à espera que o ‘Funchal’ aparecesse”, relata, em declarações à agência Lusa.

Rui Camacho narra que o navio “vinha todo embandeirado” e “quando apareceu foi um sucesso, aclamado pelas pessoas e saudado pelas embarcações que apitavam”. O DIÁRIO de Notícias indicava, então, que os administradores da EIN, o ministro das Obras Públicas do Governo de Oliveira Salazar, Eduardo de Arantes e Oliveira, que viajava no navio, e as autoridades regionais estiveram presentes na inauguração, que terminou com “um beberete realizado no salão de jantar da ‘Turística A’”. A inauguração foi simples e contida. Na edição do dia anterior o matutino indicava mesmo que, devido ao “momento nacional” criado pela eclosão da guerra colonial em Angola e pela anexação de Dadrá e Nagar Haveli pela União Indiana (territórios que desde 1779 faziam parte do Estado Português da Índia), não se realizaria a bordo “qualquer acto festivo em comemoração da viagem inaugural”.
Ler mais/Fonte: dnoticias.pt

 

Porto de Lisboa na Maior Aliança Marítima do Mundo

Porto de Lisboa na Maior Aliança Marítima do MundoLisboa será o único porto nacional incluído num dos serviços da maior aliança marítima do mundo – Ocean Alliance - que integra o Grupo CMA CGM, COSCO Container Lines, Evergreen Line e Orient Overseas Container Line, com início da operação em abril de 2017.

O Terminal da Liscont, em Alcântara receberá o serviço designado por AMERIGO, um dos seis da rota transatlântica TAT1, sendo o Porto de Lisboa a última escala europeia à exportação, cuja rota é a seguinte: Malta – Livorno – Génova -Fos – Barcelona – Valência – Lisboa – Nova Iorque – Norfolk – Savannah – Miami – Algeciras – (Valência) – Malta.

De acordo com José Carlos Santos, Diretor Geral da CMA CGM em Portugal “É com enorme prazer que a CMA CGM Portugal vê reconhecidos os seus esforços para ter Portugal contemplado como porto de escala de um dos serviços da Ocean Alliance . A Ocean Alliance, onde a CMA CGM é líder, é uma aliança que se apresenta como líder de mercado em praticamente todos os grandes eixos mundiais em número de escalas e de capacidade disponibilizada.

O serviço Amerigo retorna a Portugal com uma escala direta, após praticamente 10 anos de ausência, respondendo a uma necessidade de diversificação requerida pelo mercado.” A Aliança, que tem na sua base um acordo assinado para 10 anos, é apoiada por uma frota altamente eficiente de 323 navios com capacidade total de cerca de 3,5 milhões de TEU´s, cumprirá os requisitos das cadeias de fornecimento globais, proporcionando maiores frequências de navegação, melhores tempos de trânsito e uma maior cobertura mundial.

O Grupo CMA CGM terá a maior quota da aliança, com uma frota de 119 navios e uma participação de 35%. O Grupo não só oferecerá mais portos, como mais ligações diretas e melhores tempos de trânsito, mas também está empenhado em fornecer serviços e qualidade de transporte inigualáveis através de melhores operações e soluções de negócios. Com a sua experiência em serviços de reefer e em carga out-of-gauge, a CMA CGM pretende assim continuar a oferecer a melhor solução de transporte personalizado.
Ler mais/Fonte: portodelisboa.pt

 

 

   

Setembro 2016

Lançamento do livro sobre o papel de Vasco da Gama na evolução da Armada Portuguesa

Lançamento do livro sobre o papel de Vasco da Gama na evolução da Armada PortuguesaA obra “Duas Naus, um Cruzador… e duas Fragatas – O Nome de Vasco da Gama na Armada Portuguesa” foi apresentada em Sines, no passado dia 8 de setembro, no Auditório do Castelo de Sines. Um lançamento que ocorre no ano em que se comemoram vinte e cinco anos sobre a entrada ao serviço dos navios da classe VASCO DA GAMA, que conta com diversas iniciativas até ao final do ano.

A aquisição pelo Governo Português das três fragatas tipo MEKO 200 da classe VASCO DA GAMA, construídas na Alemanha e entregues no decurso do ano de 1991, trouxe acrescidas capacidades à Marinha de Guerra portuguesa.

Esta obra, entre muitas histórias, relata o percurso e muitos episódios desta aquisição e a sua importância na época.

O livro foi apresentado pelo Cte. Carlos Amado de Matos e pelo Arq. Ricardo Pereira, e contou com a presença do coordenador da pesquisa, C.m.g. Orlando Themes de Oliveira, e do editor, o Alm. Alexandre da Fonseca.
Ler mais/Fonte: nauticapress.com

 

O porto de Leixões recebe hoje três navios de cruzeiros, dos quais dois são escalas inaugurais

O porto de Leixões recebe hoje três navios de cruzeiros, dos quais dois são escalas inauguraisSegundo um comunicado da APDL – Administração dos Portos do Douro e de Leixões, a chegada destes três navios representa uma totalidade de cerca de cinco mil passageiros e mais de 2 mil tripulantes, “estabelecendo, assim, o primeiro recorde do ano num só dia”.

O navio Marina, da Oceania Cruises Universal, é proveniente de El Ferrol e tem Lisboa como destino.

Por sua vez, o Koningsdam, da Holland America Line e o Midnatsol, da Hurtigruten marcam a escala inaugural no porto de Leixões e rumam de La Coruña até Lisboa.

“É com muita satisfação que recebemos hoje três grandes navios. Desde o início do ano acolhemos já 64 escalas de cruzeiros, dos quais seis foram escalas inaugurais, pelo que se advinha que 2016 seja um ano excelente para a atividade de cruzeiros do porto de Leixões” afirma Helena Gomes Fernandes, diretora comercial da APDL.

O porto de Leixões tem registado um forte incremento na atividade de cruzeiros, fruto dos investimentos realizados, em particular no novo terminal de passageiros, e da aposta na promoção deste porto junto de companhias de cruzeiros de todo o mundo.
Ler mais/Fonte: jornaleconomico.sapo.pt

 

Portos dos Açores esperam receber até ao final do ano 52 mil passageiros em 35 escalas”

Portos dos Açores esperam receber até ao final do ano 52 mil passageiros em 35 escalas A Portos dos Açores espera receber até ao final deste ano 52 mil passageiros, em 35 escalas, onde se incluem 20 mil tripulantes, informou hoje aquela empresa pública. Segundo a Portos dos Açores, que gere os portos do arquipélago, os meses de outubro e de novembro serão os mais movimentados, com 11 e dez escalas, respetivamente, quedando-se setembro e dezembro pelas sete visitas cada”.

“Cabe a Ponta Delgada (na ilha de São Miguel) a maior afluência, dado que estão previstas 23 escalas do total agendado”, adianta a empresa numa nota de imprensa, explicando que a Horta, no Faial, deverá registar sete escalas e a Praia da Vitória, na Terceira, cinco.

A Portos dos Açores destaca as escalas inaugurais do “Disney Magic” e do “Carnival Vista”, navios que visitam o arquipélago em “estreia absoluta”, mas refere ser “com grande expectativa que é aguardado o início da operação de inverno do operador alemão AIDA Cruises” na região, o que “acontece pela primeira vez”. A afluência de navios de cruzeiro aos portos açorianos tem início na terça-feira, quando o “Oriana” efetuar a sua 25.ª escala em Ponta Delgada, acrescenta a mesma nota.

Em 2015, o número de passageiros de navios de cruzeiro que esteve nos Açores atingiu as 141.847 pessoas, estimando a Portos dos Açores que terão contribuído para a economia regional com 4,2 milhões de euros. De acordo com os resultados da temporada de 2015 do turismo de cruzeiros na região, anunciados em fevereiro, em 2015 os portos dos Açores registaram 138 escalas com 141.847 passageiros, quando em 2014 foram 90 escalas e 95.765 passageiros.

“Estes valores começam a ser indesmentíveis e pode dizer-se, com algum orgulho, que os Açores começam a ser uma referência internacional no turismo de cruzeiros com toda a vantagem que isso nos traz”, considerou, na ocasião, Luís Prieto, porta-voz da empresa que gere os portos do arquipélago, esclarecendo que as ilhas “com maior expressão” são São Miguel, Faial e Terceira, mas a primeira teve “só por si mais de 100 mil passageiros”.
Ler mais/Fonte: acorianooriental.pt

 

 

   

Julho 2016

Arrastão francês “pescou” submarino português

Arrastão francês “pescou” submarino portuguêsO submarino português Tridente ficou preso nas redes de um barco de pesca francês em águas britânicas, num incidente sem danos materiais ou humanos, disse o Estado-Maior General das Forças Armadas (EMGFA).

O incidente ocorreu durante uma missão de treino com a marinha britânica, na viagem de regresso do Tridente a Portugal, depois de ter estado em missão no Báltico, segundo o EMGFA. “O Tridente veio à superfície para garantir a sua própria segurança e a do pesqueiro, libertou-se do cabo em que estava preso e continua a sua missão”, disse à Lusa o porta-voz do EMGFA, Hélder Perdigão.

“Foi um pequeno incidente, não houve danos“, acrescentou.

O incidente ocorreu cerca de 55 quilómetros a sudeste do Cabo Lizard, a ponta sudoeste da Grã-Bretanha, em águas britânicas. O arrastão largou a rede, com a ajuda de meios da Marinha britânica e regressou a França, indica um comunicado do comando marítimo do Atlântico francês, citado pela France Press.

Apesar da casualidade do incidente ter ocorrido depois da vitória de Portugal sobre a França, na final do Euro 2016, em Paris, provocou grande diversão pelas redes sociais, com muitos portugueses a brincarem com a situação e com a “azia” francesa pela derrota.
Ler mais/Fonte: portosdeportugal.pt

 

Bacalhau 500 milhões a bordo de veleiro norueguês a liderar Tall Ships Race 2016

Bacalhau 500 milhões a bordo de veleiro norueguês a liderar Tall Ships Race 2016O espécime de bacalhau norueguês 508.000.000 está a bom ritmo e beneficiando de bons ventos a caminho de Lisboa a bordo do veleiro Statsraad Lehmukuhl, que neste momento praticamente lidera a regata Tall Ships Race 2016, imediatamente a seguir ao veleiro russo Mir.

A regata arrancou domingo de Antuérpia, com bom tempo, e às 12:25 desta quarta-feira o Statsraad Lehmukuhl passou o Start Point, o último marco na costa sudoeste de Inglaterra e a caminho da ilha de Oussant, na costa noroeste de França, a uma velocidade de 8,5 nós e com um instável vento de noroeste.

O navio dirige-se a seguir para o Golfo da Biscaia, tão depressa quanto o vento o permitir. «Mantemo-nos, até agora, numa boa posição na nossa classe, mas tanto os outros concorrentes como o vento são fortes e temos que constantemente afinar o leme e a vela de guarnição para continuar na liderança», escreve o capitão Marcus Seidl no Facebook . «A moral e o entusiasmo a bordo são elevados e estamos a ir muito bem», garante.

Com uma tripulação de 163 pessoas (entre profissionais e aprendizes) de vários países, o veleiro-escola norueguês deverá chegar a Lisboa dia 23, transportando o espécime de bacalhau 508.399.822 – já batizado de «Fiel» - entregue com pompa e circunstância ao capitão Marcus Seidl por Kristine Ounebo, da direcção da Associação de Chefs da Noruega.

Arredondado para 500.000.000, o número resulta dos registos do Conselho Norueguês da Pesca, Norge - que reúne os exportadores de peixe do país – e cujo representante em Lisboa, Johny Thomassen, decidiu assinalar 70 anos de exportação de bacalhau para Portugal com a entrega simbólica deste espécime de 3 quilos capturado no Mar do Norte e sujeito a três meses de cura (seca e salga). No entanto, apesar de serem assinalados 70 anos, as exportações do «Fiel Amigo» para terras lusas – cujo registo foi interrompido na Segunda Guerra Mundial – datam de finais do século XVII.

Os portugueses adotaram há séculos o bacalhau, dedicando-lhe mais de 1000 receitas, mas apesar de generalizado, não era considerado «requintado», e só na presidência de Jorge Sampaio é que passou a constar das ementas dos banquetes oficiais. No ano passado, Portugal importou cerca de 35.500 toneladas de bacalhau, 70% das quais compradas à Noruega, o equivalente a cerca de 180 milhões de euros.

O bacalhau da Noruega é o único bacalhau migrador, o que o torna diferente de todos os outros bacalhaus em todo o mundo. Nasce na costa Ártica norueguesa e aí se mantém até atingir a idade de 1 ano. Começa então a sua migração para o Mar de Barents (Mar Ártico) onde vai passar a sua juventude até atingir a idade de procriação, entre os 5 e os 6 anos de vida. É nessa altura, por volta do fim do mês de Novembro que começa a sua migração para o sítio onde nasceu, para desovar. Esta migração de mais de 1000 quilómetros, faz-se ao ritmo de 30 a 40 km por dia.
Ler mais/Fonte: diariodigital.sapo.pt

 

Exposição “Um Oceano de Plástico”

Exposição “Um Oceano de PlásticoO CIIMAR e a Campanha Ocean Action foi inaugurou a exposição de grandes esculturas “Um Oceano de Plástico”, no inicio de julho, ficando aberta até dia 25 de novembro no Largo de S. Domingos, no Porto.

Esta exposição, composta por 3 esculturas de grandes dimensões construídas com plásticos reciclados, encontra-se distribuída por diferentes espaços públicos da cidade, pretendendo alertar e sensibilizar a população para o problema do lixo plástico.

Apresentação prevista da peça de teatro “Pérola no Mar de Plástico”, também desenvolvida em parceria entre a ESAP e o CIIMAR.
Ler mais/Fonte: nauticapress.com

 

 

   

Maio 2016

Gestão de áreas sob jurisdição portuária pode passar para autarquias

Gestão de áreas sob jurisdição portuária pode passar para autarquiasA ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, anunciou hoje, em Angeiras, Matosinhos, a possibilidade de transferir para os municípios a gestão de áreas que estão sob jurisdição portuária. Segundo a ministra, o Governo vai analisar tudo o que são áreas de jurisdição portuária e, se houver desejo das autarquias, essa gestão será transferida para os municípios, ou poderá ser partilhada.

"Queremos fazer descentralização e [dar] o seu a seu dono. Quem tem responsabilidade pela gestão dos territórios são as autarquias e, portanto, o porto de Leixões não tem que ter a gestão de áreas que não têm atividade portuária", exemplificou.

Ana Paula Vitorino referiu que o Governo está neste momento a preparar uma legislação para que esta possibilidade de transferência de gestão se possa efetivar em todo o país.

"Este Governo põe como prioridade as relações com os municípios (...) e o porto de Leixões não tem que gerir um território cuja responsabilidade é do município", afirmou Ana Paula Vitorino esta manhã, no mercado de Angeiras, Matosinhos, distrito do Porto.

Para Ana Paula Vitorino, "uma coisa é o Porto de Leixões gerir os destinos do porto, [o que] naturalmente tem que ser gerido profissionalmente pelo Porto de leixões, outra coisa são intervenções sobre áreas que não têm nada de portuária". Exemplo disso são, por exemplo, as concessões de exploração de bares de praia, que são atribuídas por entidades portuárias.
Ler mais/Fonte: noticiasaominuto.com

 

Lisboa passa a base permanente da Volvo Ocean Race

Lisboa passa a base permanente da Volvo Ocean RaceA novidade foi anunciada pelo presidente da câmara de Lisboa, Fernando Medina, numa apresentação nos Paços do Concelho. O autarca disse que esta evolução poderá qualificar a cidade para um outro passo: passar a sede geral da regata a partir de 2020. "É uma pequenina coisa que falta resolver", ironizou.

A instalação do boatyard (estaleiro) da VOR em Lisboa significará que antes da competição se iniciar todos os barcos concorrentes virão para Lisboa para serem sujeitos a melhoramentos e testes, até a prova arrancar (provavelmente em outubro de 2017).

Lisboa tornar-se-á também campo de treinos da competição, com todas as equipas instaladas na capital. O chefe da organização lisboeta da VOR, José Pedro Amaral, disse que com o estaleiro da prova em Lisboa (Doca de Pedrouços) durante mais de um ano se espera um significativo aumento do impacto financeiro na vida da cidade.

Na edição 2014-2015 o stopover da VOR na capital portuguesa foi de duas semanas, com um impacto na ordem dos 25 milhões de euros. A posição de Lisboa na rota da regata vai mudar. Nas anteriores estava no fim da volta ao mundo, no regresso da frota à Europa, vinda dos EUA (a prova começa em Alicante, Espanha, depois dá a volta ao mundo, de oeste para leste, terminando em Gotemburgo, na Suécia).
Ler mais/Fonte: dn.pt

 

Movimento nos portos cresceu 3,5% no primeiro trimestre

Movimento nos portos cresceu 3,5% no primeiro trimestreO movimento de mercadorias nos oito portos do Continente totalizou 21,7 milhões de toneladas de carga nos três primeiros meses do ano, aumentando 3,5% em relação ao mesmo período de 2015. O crescimento registado de Janeiro a Março, mostram dados recolhidos pela Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT), deveu-se sobretudo ao porto de Sines, que vale 52% do mercado.

volume da carga superou neste porto as 11,3 milhões de toneladas, uma subida de 13,4%. Viana do Castelo, que representa uma pequena fatia do mercado portuário, cresceu 17,2% e o porto de Faro subiu 2,1%. Já o movimento nos portos de Setúbal, Figueira da Foz, Leixões, Aveiro e Lisboa recuou, com a descida mais acentuada, de 12,7%, a acontecer na Figueira.

Os dados do primeiro trimestre não reflectem ainda os efeitos da actual greve no Porto de Lisboa, apenas a paralisação que decorria nos primeiros dias deste ano. A quebra de Janeiro a Março foi de 9,1% neste porto, que é o terceiro mais importante no mercado portuário, depois de Sines e Leixões.

Os estivadores iniciaram uma paralisação parcial desde Novembro do ano passado até que, a 8 de Janeiro, foi assinado um acordo de paz social que na altura levou o sindicato (SETC) a suspender os pré-avisos de greve. Uma vez fracassado o acordo intermediado pelo Governo, os estivadores voltaram a convocar greves a partir de 20 de Abril. Nos oito portos, “o tráfego de contentores, incluindo ‘cheios’ e ‘vazios’, acompanhou o sentido da variação observada no mercado da carga contentorizada tendo registado um acréscimo de 1,7% em número e de 4,1% em volume de TEU [unidade equivalente a um contentor de 20 pés]”, refere a AMT no relatório consultado pelo PÚBLICO.
Ler mais/Fonte: publico.pt

 

 

   

Abril 2016

Rolls-Royce e a visão do navio de carga do futuro

Rolls-Royce e a visão do navio de carga do futuroA Rolls-Royce apresentou já, no vídeo que aqui reproduzimos, com a devida vénia, a sua visão do que será o navio do futuro, ou frota de navios, completamente dirigidos em terra a partir de uma sofisticada sala de Comando e Controlo.

Como revelado no filme, a sala de Comando e Controlo será mesmo sofisticada, permitindo a uma pequena equipa, entre 7 a 14 virtuais tripulantes, dirigir um navio, ou frota de navios, à distância, recorrendo a ecrãs interactivas inteligentes, reconhecimento de voz, hologramas e sistemas autónomos de vigilância para monitorizar tudo quanto se passa num navio e à sua volta.

Mas para se perceber exactamente o que tudo isso significa, nada melhor, de facto, do que ver o vídeo.

Para a Rolls-Royce, tudo isto não é apenas ficção mas também um plano de trabalho uma vez que afirma querer agora ter este projecto realizado e em operação, até ao final da década.

Toda a pesquisa e desenvolvimento relativos a este projecto decorre de uma colaboração entre a Rolls-Royce a VTT e a Universidade de Tampere, recolhendo muita da experiência adquirida em diferentes sectores de actividade, como a aviação, defesa, energia e exploração espacial, onde a o controlo remoto operacional tem sido mais difundido.
Ler mais/Fonte: jornaldaeconomiadomar.com

 

Prémios Excellens Mare 2016

Prémios Excellens Mare 2016A Gala de Entrega dos Prémios Excellens Mare 2016 vai decorrer no dia 30 de abril, pelas 15h, no Casino Figueira (Figueira da Foz).

Pretende-se neste encontro reconhecer o mérito e a excelência de entidades e personalidades que tenham desempenhado um papel marcante no desenvolvimento económico sustentável das actividades relacionadas com o mar. A acompanhar esta entrega de prémios, alguns convidados especiais, participantes de um momento de debate acerca do mar e das suas potencialidades.

A PwC Portugal considera que o reconhecimento da excelência e do mérito nas atividades do mar é fundamental para o desenvolvimento da economia do mar em Portugal e no Mundo.

A sinalização e o reconhecimento de casos de sucesso e de referência no âmbito das atividades do mar, para além de serem um ato de justiça em relação a quem dedica o seu talento ao crescimento azul, são fundamentais para reforçar a motivação de pessoas e de equipas que pretendam dar o seu continuado contributo para a valorização sustentável dos recursos do mar.

Os Prémios Excellens Mare pretendem ser um contributo de referência, em Portugal e no Mundo, no reconhecimento da excelência e do mérito nas atividades do Mar.

Apenas com a promoção da excelência e a defesa do mérito será possível avançar para patamares mais elevados de crescimento e de desenvolvimento sustentável num contexto de desafios cada vez mais complexos à escala global!
Ler mais/Fonte: portosdeportugal.pt

 

TROIA MARINA lança Troia All Summer

TROIA MARINA lança Troia All SummerA TROIA MARINA, unidade do TROIA RESORT, acaba de lançar um programa especial para o Verão. O Troia All Summer é válido para estadias de Abril a Setembro ou Maio a Outubro e destaca o local perfeito para todos os amantes do mar e desportos aquáticos.

Com valores a partir de 1.650€ (barcos Classe I) os subscritores recebem, ainda, 2 cartões com 10 viagens cada para usufruir no catamarã Atlantic Ferries. A TROIA MARINA, com capacidade para 184 embarcações, apresenta todas as comodidades necessárias, bem como infraestruturas de apoio para a conservação e manutenção da embarcação.

A TROIA MARINA conta com o reconhecimento Bandeira Azul e dispõe, ainda, de um Código de Conduta para sensibilizar sobre o comportamento a adotar no caso de avistarem roazes do Sado. Todos os meses são promovidos eventos náuticos, nos quais os clientes da TROIA MARINA são convidados a participar e desfrutar de um espírito desportivo ímpar.

A estadia do barco na TROIA MARINA é apenas o começo de uma aventura. Os principiantes podem aprender os princípios básicos para começarem a velejar, e, os velejadores mais experientes podem utilizar a marina como ponto de partida para viagens mais longas. Toda a atividade terá como cenário uma das mais belas baías do mundo, a de Tróia. Aproveite para explorar o incrível ambiente da península de Tróia. Para além das paisagens marcantes, pode desfrutar de inúmeras atividades ao ar livre, como jogar Golf num dos melhores campos da Europa, descontrair no Casino ou deliciar-se com um dos inúmeros restaurantes da região.
Ler mais/Fonte: shoppingspirit.pt

 

 

   

Março 2016

Sector petrolífero vai financiar o novo Fundo Azul

Sector petrolífero vai financiar o novo Fundo AzulA constituição do ‘Fundo Azul’, anunciado na semana passada pelo Conselho de Ministros exclusivamente dedicado aos assuntos do Mar, foi ontem concretizada em Diário da República, num dos últimos decretos-lei promulgados por Aníbal Cavaco Silva enquanto Presidente da República. O diploma estabelece que o sector petrolífero deve ser uma das fontes de financiamento deste fundo concebido pela ministra do Mar, Ana Paula Vitorino.

Desta forma, “podem ser afectas ao Fundo, parte das receitas do Imposto sobre os Produtos Petrolíferos cobrado sobre o gasóleo colorido e marcado, a definir anualmente na Lei do Orçamento do Estado”. Por outro lado, está igualmente previsto no referido diploma a existência de “contribuições financeiras dos titulares da concessão, no domínio da Investigação & Desenvolvimento e Inovação tecnológica da pesquisa e produção ‘offshore’ de petróleo e gás, nomeadamente na segurança das operações ‘offshore’, através do pagamento de uma taxa destinada ao Fundo Azul, a ser definida por portaria aprovada pelos membros do Governo responsáveis pelas áreas das Finanças, da Economia e do Mar”.

O Fundo Azul vai começar a promover actividades ligadas ao Mar a partir de 1 de Janeiro de 2017. Nesta fase embrionária, não receberá qualquer dotação do Orçamento do Estado para 2016, mas essa deverá ser outra das fontes regulares de financiamento do Fundo Azul a partir do próximo ano, seja directamente do OE ou através de transferências de entidades do Sector Empresarial do Estado, em particular as administrações portuárias, “designadamente pela alocação de parte do produto das taxas cobradas”. Ana Paula Vitorino disse na semana passada que este ano, sem dotações orçamentais, o Fundo Azul deverá captar cerca de 10 milhões de euros de financiamento para as suas actividades.

Estão também previstas contribuições da União Europeia, “sujeitas a orientações fixadas pelas estruturas de gestão dos respectivos programas operacionais e aos regulamentos nacionais e comunitários que subordinam os capitais colocados no fundo”.

Outras fontes de financiamento do Fundo Azul derivarão de percentagens das receitas resultantes da cobrança da taxa de utilização do espaço marítimo; dos dividendos de cada administração portuária; das receitas destinadas aos cofres do Estado e de taxas cobradas por serviços prestados pelas capitanias dos portos; e das receitas destinadas aos cofres do Estado e de taxas cobradas por serviços prestados pela direcção-geral dos Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos. Todas estas percentagens serão fixadas em despachos específicos a publicar posteriormente.

O Fundo Azul terá por finalidade o desenvolvimento da economia do mar, a investigação científica e tecnológica e a protecção e monitorização do meio marinho e a segurança marítima.
Ler mais/Fonte: economico.sapo.pt

 

Porto de Sesimbra mantém liderança na pesca

Porto de Sesimbra mantém liderança na pescaO porto de Sesimbra, localizado a cerca de 30 km de Setúbal, continua a ser um dos portos de pesca mais importantes do país, quer em volume, quer em valor de pescado transacionado, assumindo particular relevância na comercialização de pescado para a área metropolitana de Lisboa. Se, por um lado, a envolvente do porto é caracterizada por uma zona de costa dominada por falésias e outros elementos geográficos com uma presença marcante, que limitam a área portuária, por outro, o porto dispõe de um boa acessibilidade marítima, condições de abrigo, boas profundidades e escassas necessidades de dragagens.

A lota de Sesimbra, em funcionamento desde 1995, está equipada com importantes e modernas infraestruturas de apoio à comercialização de pescado. O leilão está todo informatizado, não permitindo qualquer tipo de irregularidade. Este é feito por afixação em painel eletrónico, com contagem decrescente e licitação por telecomando. A lota dispõe ainda de modernos e eficazes meios de operação de pesagem, transporte, transação, conservação e comercialização do pescado desembarcado, garantindo um funcionamento eficaz de todo o processo.

O porto de Sesimbra constitui, indiscutivelmente, um forte indutor de desenvolvimento local não só pela riqueza gerada pela pesca como pelas especificidades culturais introduzidas por aquela atividade e que tornam Sesimbra atrativa para o turismo. A grande mais-valia do porto para a geração de riqueza, integrada numa perspetiva de desenvolvimento harmónico e respeitador dos equilíbrios naturais, surge, precisamente, da exploração de atividades ligadas ao mar para o desfrute de belezas naturais, para o consumo turístico e para o lazer.

A estratégia da APSS, SA para o desenvolvimento do porto de Sesimbra, face aos constrangimentos, nomeadamente de ordem financeira, e as oportunidades existentes, assenta no reordenamento, modernização e ampliação das infraestruturas e condições de segurança e funcionamento do porto de pesca, visando potenciar o desenvolvimento da atividade piscatória, fomentar a náutica de recreio e interceder no sentido de melhorar as acessibilidades terrestres ao porto pelo lado poente.
Ler mais/Fonte: portodesetubal.pt

 

Executivo celebra protocolos no contexto do conhecimento do mar e da literacia para os oceanos

Executivo celebra protocolos no contexto do conhecimento do mar e da literacia para os oceanosEntre as várias medidas hoje aprovadas em Conselho de Ministros, com incidência nas necessidades sector do Mar e das suas metas pendentes, o Executivo celebrou dois protocolos no âmbito do desafio do conhecimento sobre o mar e da literacia para os oceanos - o Protocolo que estabelece o Prémio Nacional Mário Ruivo - Gerações Oceânicas e Protocolo de cooperação entre o Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e a Ministra do Mar.

O primeiro premiará anualmente um projecto original no tema «Conhecer e Interagir com o Oceano», firmado entre o Ministro da Cultura, o Ministro da Educação e a Ministra do Mar, focando-se na "sensibilização e promoção da Literacia para o Oceano nos programas educativos e formativos, através de campanhas e acções de sensibilização e divulgação de conhecimento, numa perspectiva educacional, mas também social, científica, cívica e ambiental", como explicita o comunicado.

O segundo prende-se com a aplicação de "esforços na promoção de sinergias entre os departamentos governamentais e a sociedade civil, em particular com a comunidade académica e científica em ciências e tecnologias do mar. Estes esforços traduzir-se-ão no desenvolvimento do conceito do Centro de Observação Oceânica, bem como do fomento do desenvolvimento de tecnologias e de novos materiais indispensáveis à intervenção em offshore e na promoção da sensibilização e promoção da Literacia para o Oceano".
Ler mais/Fonte: cargoedicoes.pt

 

 

   

Fevereiro 2016

MSC Cruzeiros adquire Ilha nas Caraíbas

MSC Cruzeiros adquire Ilha nas CaraíbasA firma MSC Cruzeiros, a companhia de cruzeiros com sede em Genebra, na Suíça e número um em Portugal e na Europa, na América do Sul e Sul de África, revelou planos ambiciosos para criar uma experiência exclusiva numa ilha das Bahamas.

Este projecto visionário foi anunciado em 16 Dezembro, em Nassau, capital das Bahamas, onde o primeiro ministro Perry Christie e o Presidente Executivo da MSC Cruises, Pierfrancesco Vago assinaram um contrato de aluguer por 100 anos, que permitirá à MSC Cruzeiros ocupar uma pequena ilha, que será chamada de Ocean Cay MSC Marine Reserve.

Ao longo dos próximos dois anos, a MSC Cruzeiros vai trabalhar em conjunto com o Governo das Bahamas para desenvolver a pequena ilha de Cay, que pela primeira vez, estará dentro de uma próspera reserva marinha e irá coexistir em harmonia com o ecossistema local. Este projecto vai ajudar a transformar a base da economia local, criando numerosos empregos qualificados no setor do turismo.

A ilha irá oferecer aos passageiros algumas das melhores praias no mundo, entre um variado conjunto de experiências inspiradas nas Caraíbas. A MSC Cruzeiros, uma das companhias de cruzeiro com mais consciência ecológica, vai investir cerca de 200 Milhões de dólares (USD) na criação de um paraíso natural numa ilha deserta. Pierfrancesco Vago, Presidente Executivo da MSC Cruises, afirmou que ...este é um progresso natural para a nossa companhia, que está a crescer muito rapidamente,

Todas as instalações e experiências na ilha, que está situada a cerca de 60 milhas a leste de Miami, na Florida, serão solidárias com a cultura3514 01 e tradições das Bahamas. Um plano paisagístico abrangente pretende plantar por toda a ilha mais de 80 tipos de árvores indígenas das Caraíbas, flores, arbustos e mangais. Haverá também uma aldeia semelhante às das Bahamas, vários restaurantes e bares oferecendo especialidades locais, uma grande variedade de lojas e um centro de chegadas, animado com música temática local.

A MSC Cruzeiros prevê iniciar os desenvolvimentos na ilha em Março de 2016e a Ocean Cay MSC Marine Reserve será aberta aos passageiros em Dezembro de 2017.

Este projecto proporcionará uma presença permanente da MSC Cruzeiros nas Bahamas. O Cay será ideal para todos os navios que estiverem a realizar itinerários nas Caraíbas, nomeadamente o MSC DIVINA e o MSC SEASIDE, o navio de próxima geração que se encontra ainda em construção, ambos com partidas de Miami, e ainda o MSC OPERA e o MSC ARMONIA, que navegarão a partir de Cuba.
Ler mais/Fonte: revistademarinha.com

 

Porto de Leixões atingiu novo recorde de mercadorias em 2015

Porto de Leixões atingiu novo recorde de mercadorias em 2015O movimento de mercadorias no porto de Leixões atingiu em 2015 um novo valor recorde de 18,7 milhões de toneladas. Este total representou um crescimento de 3,7% face ao ano anterior. Considerando o porto de Viana do Castelo, que está integrado na APDL - Administração dos Portos do Douro e de Leixões, o total de mercadorias movimentadas no ano passado ascendeu a 19,2 milhões de toneladas.

Em 2015, o porto de Leixões cresceu 6,7% na movimentação de granéis líquidos (combustíveis), 12,1% na carga fraccionada e 10,5% em granéis sólidos (cimento, cereais, carvão, etc).

Mas o segmento de carga que registou maior crescimento no porto de Leixões no ano passado foi o de ‘ro-ro’ (embarque e desembarque de automóveis), com uma subida de 73% face a 2014.No segmento de contentores, verificou-se uma quebra de cerca de 8% face ao ano precedente: -6,4% no movimento de contentores e, dimensão (TEU – unidade–padrão equivalente a contentores com 20 pés de comprimento) e -7,5% em número.

A APDL explica, em comunicado, a quebra da carga contentorizada com “a redução significativa das exportações para Angola”. “Com exportações para 184 países e uma média mensal de 1,6 milhões de toneladas de mercadorias a circular em Leixões, este porto fecha 2015 com o melhor resultado de sempre, atingindo recordes na movimentação de granéis líquidos, sólidos e carga ‘ro-ro’”, sublinha o referido comunicado da APDL.
Ler mais/Fonte: economico.sapo.pt

 

Comissão Europeia quer reduzir lixo marinho em 25%

Comissão Europeia quer reduzir lixo marinho em 25%A Comissão Europeia (CE) adoptou hoje, dia 2 de Dezembro, um novo pacote da economia circular para incentivar a transição da Europa para uma economia circular, que «reforçará a competitividade a nível mundial, promoverá um crescimento económico sustentável e criará mais emprego», segundo consta de um comunicado da instituição.

«Os planos aproveitarão ao máximo o valor e a utilização de todas as matérias‑primas, produtos e resíduos, promovendo poupanças de energia e diminuindo as emissões de gases com efeito de estufa. As propostas abrangem todo o ciclo de vida: da produção ao consumo, à gestão dos resíduos e ao mercado das matérias-primas secundárias», acrescenta o comunicado.

A transição será apoiada pelos Fundos Europeus Estruturais e de Investimento, «por 650 milhões de euros do Horizonte 2020 (programa da UE de financiamento para investigação e inovação), por 5,5 mil milhões de euros de fundos estruturais para a gestão dos resíduos e por investimentos na economia circular a nível nacional».

Entre as principais medidas agora adoptadas ou a aplicar «durante o mandato desta Comissão», consta uma estratégia para o plástico na economia circular e, neste contexto, o objetivo de reduzir o lixo marinho em, pelo menos 25 por cento, através da aplicação da legislação relativa aos resíduos.
Ler mais/Fonte: jornaldaeconomiadomar.com

 

 

   

Janeiro 2016

Fluviário de Mora com novos habitantes

Fluviário de Mora com novos habitantesO Fluviário de Mora abriu portas para receber novos moradores, um total de 12 novos peixes de água salgada que habitam agora naquele espaço. Doze novas razões para conhecer ou voltar a visitar aquele que foi o primeiro grande aquário de água doce na Europa, criado a 21 de Março de 2007.Os novos habitantes do fluviário são duas raias (Raias undulata), quatro corvinas (Argyrosomus regius) e seis pargos (Pagrus pagrus).

Para além de conhecer as novas atracções, não perca a oportunidade de ver todos os outros animais do Fluviário, como as lontras ou conhecer o tanque que alberga peixes gigantes. Ou, então, participar no programa “O Mistério de Natal” feito especialmente para esta época natalícia, com actividades para todas as idades.

Ao fim de oito anos, por onde passaram mais de 730 mil visitantes, crianças, famílias, escolas e outros grupos, o Fluviário de Mora continua a inovar e a renovar-se como a maior e mais reconhecida instituição em Portugal, e também na Europa, de divulgação do maravilhoso mundo dos Rios e dos Lagos.
Ler mais/Fonte: nauticapress.com

 

2015 foi o melhor ano de sempre na movimentação de mercadorias no Porto de Aveiro

2015 foi o melhor ano de sempre na movimentação de mercadorias no Porto de AveiroO total de mercadorias movimentadas em 2015 no Porto de Aveiro atingiu 4.656.103 toneladas, passando este a constar como o melhor ano de sempre no que diz respeito ao tráfego de carga. O crescimento registado face a 2014, ano onde foi obtido o anterior máximo, foi de 3,57 pontos percentuais.

Representando 49,52% do tráfego de mercadorias do Porto, as exportações cresceram 0,23 pontos percentuais em relação ao ano transacto, alcançando 2.305.540 toneladas. Com um peso de 50,48% no total de mercadorias movimentadas, as importações somaram 2.350.563 toneladas, revelando um crescimento de 7,08 pontos percentuais.

Salienta-se o crescimento de 18,63 pontos percentuais (mais 304.922 toneladas) em relação a 2014, verificado nos Granéis Sólidos, com um total de 1.941.946 toneladas movimentadas, que constituem 41,71% do agregado do Porto. No segmento da Carga Geral foram movimentadas 1.685.911 toneladas, representando 41,71% do movimento total e nos Granéis Líquidos verificou-se um tráfego de 1.026.706 toneladas, perfazendo 22,05% do movimento anual.

No que diz respeito ao número de escalas no Porto de Aveiro e às dimensões dos navios, 2015 apresenta valores assinaláveis. Um total de 1.093 navios visitaram o porto durante o ano, o que representa um crescimento de 9,85 pontos percentuais (mais 98 navios) em relação a 2014. Ainda em relação a 2014, a arqueação bruta total destes navios apresenta um crescimento de 12,87 pontos percentuais (mais 560.699) e o comprimento total uma subida de um 9,92 pontos percentuais (mais 10.145 m).
Ler mais/Fonte: portosdeportugal.pt

 

Calypso, o navio do comandante Cousteau vai voltar ao mar

Calypso, o navio do comandante Cousteau vai voltar ao marA associação proprietária do Calypso, o célebre navio de exploração oceanográfica do comandante Jacques-Yves Cousteau, ao abandono desde 2007 num porto francês, anunciou esta quinta-feira que a embarcação vai regressar ao mar. “Estamos a trabalhar para tirar o navio de Concarneau (Bretanha, oeste de França) no prazo de três meses. O nosso objetivo é reparar completamente o navio e que volte a navegar para ser o embaixador dos oceanos, como queria o comandante”, disse a associação Equipa Cousteau.

“Consideramos serem necessários entre 12 e 18 meses para pôr o Calypso a navegar. Já contactámos empresas para esta empreitada”, acrescentou. A bordo do Calypso, o explorador Jacques-Yves Cousteau percorreu, a partir de 1950 e durante mais de 40 anos, os oceanos para realizar filmes sobre os fundos marinhos, vistos em todo o mundo.

Com o seu barrete vermelho de escafandrista, Cousteau realizou vários documentários, sendo provavelmente o mais famoso “Le Monde Du Silence”, que ganhou a Palma de ouro no festival de cinema de Cannes, em 1956. Em janeiro de 1996, o Calypso naufragou em Singapura. Posto a flutuar, foi colocado em Concarneau em 2007, onde devia ter sido restaurado. Divergências entre o estaleiro naval Piriou, encarregado dos trabalhos, e a Equipa Cousteau interromperam a recuperação do navio.

Em dezembro de 2014, a justiça francesa determinou que a associação devia retirar o Calypso do estaleiro antes de 12 de março deste ano e pagar à Piriou os trabalhos já efetuados, no valor de cerca de 300 mil euros. A Equipa Cousteau indicou que o navio podia ser exposto no Mónaco, na água ou em doca seca, enquanto a empresa ameaçava leiloar o Calypso. “A Equipa Cousteau conseguiu sentar, à mesma mesa, vários mecenas internacionais generosos e muito motivados”, disse a associação na sua página digital.

“Quando o Calypso regressar ao Mediterrâneo, estará a navegar com os seus próprios motores, como queria o comandante Cousteau”, acrescentou Francine Cousteau, segunda mulher do explorador e presidente da Equipa Cousteau. Em comunicado, o estaleiro Piriou garantiu que fará “tudo ao seu alcance para permitir a saída do Calypso da doca nas melhores condições”, apesar de afirmar desconhecer o projeto de retirar o navio durante o primeiro trimestre. O estaleiro confirmou ter recebido, em dezembro, a soma devida pela associação.
Ler mais/Fonte: observador.pt

 

 

   

Dezembro 2015

Rockport patrocina única equipa Portuguesa feminina de Vela

Rockport patrocina única equipa Portuguesa feminina de VelaA Rockport, empresa americana pioneira em calçado cosmopolita com tecnologia desportiva integrada, patrocina as velejadoras Sara Mota Carmo e Matilde Pinheiro de Melo no seu percurso para representarem Portugal nos próximos Jogos Olímpicos, a decorrerem no Rio de Janeiro em 2016.

Fundada em 1971, a Rockport continua a apresentar nas suas coleções calçado náutico, construído segundo avançada tecnologia que permite aos velejadores conquistarem os mais desafiantes mares e oceanos do mundo. Integrada no espírito das aventuras marítimas, a marca patrocina a equipa constituída por Sara Mota Carmo e Matilde Pinheiro de Melo.

Segundo Cátia Tomé, Responsável de Marketing da Rockport Portugal “A marca nasceu nos EUA com uma história ligada à náutica e estamos muito orgulhosos de poder escrever um novo capítulo ao apoiar duas esperanças da Vela Portuguesa. A Sara e a Matilde são atletas dedicadas e de grande talento. Neste momento, estão a competir por um lugar nos Jogos Olímpicos de 2016 sendo a única representação nacional feminina na Vela. Torcemos pela participação de Portugal no Rio 2016.”
Ler mais/Fonte: local.pt

 

Turismo fluvial bate recordes

Turismo fluvial bate recordesOs sinais são evidentes. O turismo no Douro está a crescer”, afirma Raquel Maia, responsável pela Delegação do Douro da Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL).

Num balanço sobre o turismo fluvial no Douro em 2015, a administradora da APDL referiu à agência Lusa que, até outubro, passaram pela via navegável cerca de 760 mil passageiros, mais 145 mil do que em todo o ano de 2014 (615 mil).

Depois da apresentação será feita a demonstração do dispositivo, que decorrerá no Porto de Abrigo da Nazaré, por volta das 12H30.A sessão será acompanhada de um cocktail.

Falta ainda contabilizar os meses de novembro e dezembro, pelo que, segundo Raquel Maia, os valores de 2015 podem “chegar a uma ordem de grandeza a rondar os 900 mil passageiros”. “Está claro que o rio Douro vai de vento em popa enquanto canal de navegação turística”, sublinhou.

O bom desempenho registou-se em todos os segmentos de negócio ligados ao turismo fluvial, onde existem 38 operadores e 99 embarcações. Em 2010 operavam neste rio 58 embarcações.
Ler mais/Fonte: expresso.sapo.pt

 

Portugal presente na Boot Duseldorf 2016

Portugal presente na Boot Duseldorf 2016Também em 2016, Portugal estará presente na Boot Düsseldorf, através de quase três dezenas de empresas que ocupam cerca de 300 m2 de área. Mais de uma dezena de empresas dos Açores, e de Norte a Sul do Continente, empresas como a FeelDouro, a PalmaYachts, a Marina de Lagos, a Mermaid Ideas, a Rulis / Silenwind, e a Sun Concept se farão representar, bem com uma região estreante, Sagres / Vila do Bispo, que apresenta seis expositores, a Cape Cruiser, a Divers Cape, a Mar Ilimitado, a Pura Divehouse, Sagres Natura e a SeaXplorer.

A Boot Dusseldorf, a maior feira europeia de desportos náuticos e atividades associadas, terá lugar no perído de 23 a 31 de Janeiro, nos arredores da cidade de Dusseldorf, perto de Colónia, na Alemanha, no Estado da Renânia – Westfália.

Os dezassete pavilhões que a integram vão receber mais de 1.700 expositores, a maioria alemães, mas muitos, cerca de 47%, de mais de sessenta países, designadamente3498 01 o Reino Unido, a França e a Holanda.

ela primeira vez estarão representados todos os Estados do Caribe Oriental, um destino turístico considerado exótico e muito atraente.
Ler mais/Fonte: revistademarinha.com

 

 

   

Abril 2015

Sines recebe um dos maiores navios porta contentores em operação

Sines recebe um dos maiores navios porta contentores em operaçãoNo passado dia 22 de março a PSA Sines operou o maior navio porta contentores que alguma vez fez escala no terminal de contentores de Sines, no Terminal XXI. O navio EVELYN MAERSK é um mega porta contentores que atinge quase os 400 m de comprimento, 56 m de boca e um calado de 16 m. Tem uma capacidade de transporte de 14.770 TEUs, dos quais 1286 contentores refrigerados.

Sines foi o seu primeiro porto de escala na Europa, tendo partido da Malásia a 6 de Março, seguindo-se agora uma escala no porto de Le Havre. Desde Janeiro deste ano que os serviços efetuados no âmbito da Aliança 2M entre os armadores MSC e Maersk, começaram a fazer escala no Terminal de Contentores de Sines, sendo expectável que tal contribua para um incremento nos volumes de carga manuseados.

O aumento na quantidade e frequência de serviços das linhas de navegação que fazem escala no Terminal de Contentores de Sines será benéfico para os exportadores Portugueses, dotando-os assim de um acesso atempado e de baixo custo aos mercados internacionais. Neste contexto, o porto de Sines ficaria também beneficiado com ligações ferroviárias diretas ao interior da Península Ibérica.
Ler mais/Fonte: revistademarinha.com

 

Nazaré acolhe apresentação pública e lançamento do Wave Glider

Nazaré acolhe apresentação pública e lançamento do Wave GliderRealizou-se dia 27 de março, no auditório da Biblioteca Municipal da Nazaré, a partir das 10h00, uma sessão informativa sobre o “Wave Rider”, um projeto da Maretec, destinado a criar uma indústria próspera que irá ajudar a reduzir as causas das alterações climáticas e criar empregos a longo prazo, enquanto protege o ambiente costeiro e marinho.

Entre os convidados presentes na sessão estarão o Presidente da Câmara Municipal da Nazaré e de Peniche, as Autoridades Marítimas da Nazaré e de Peniche, os responsáveis da Zona Piloto para o aproveitamento das energias marinhas, a coordenadora do projeto a nível Europeu, o responsável do projeto a nível nacional e os responsáveis pela instalação e missão do dispositivo.

Depois da apresentação será feita a demonstração do dispositivo, que decorrerá no Porto de Abrigo da Nazaré, por volta das 12H30.A sessão será acompanhada de um cocktail.

O dispositivo Wave Glider, movido a energia das ondas e pilotado remotamente, tem por missão recolher dados sobre as ondas, correntes, condições atmosféricas e presença de aves e mamíferos marinhos, será lançado ao mar, no sábado, dia 28, às 12h00, no Porto de Abrigo.

O Wave Glider fará trajetos na zona costeira da Nazaré, Peniche e São Pedro de Moel em zonas com potencial para a implementação de projetos de energia renovável marinha. Esta ação enquadra-se no projecto Europeu sobre o estudo das Energias Renováveis Marinhas de nome Turnkey no qual é parceiro o MARETEC, um grupo de investigação do Instituto Superior Técnico. O dispositivo irá fazer observações até ao início do mês de Maio.
Ler mais/Fonte: cm-nazare.pt

 

Estaleiro da Sustentabilidade é uma das atrações culturais da Volvo Ocean Race em Santa Catarina

Estaleiro da Sustentabilidade é uma das atrações culturais da Volvo Ocean Race em Santa CatarinaDe 3 a 19 de abril crianças e jovens participarão de oficinas, workshops e da formação de líderes sustentáveis na Vila da Regata do Itajaí Stopover. Amyr Klink e Izabel Pimentel são alguns nomes já confirmados dentro do programa. Estaleiro, embarcadouro, alto mar, deriva, tormenta e volta ao mundo. Através de metáforas ligadas ao mundo da navegação serão ministradas oficinas, workshops e formações de líderes sustentáveis a crianças e jovens que passarem pela Vila da Regata do Itajaí Stopover – parada brasileira da 12ª Volvo Ocean Race – durante o período de 3 a 19 de abril. O projeto chamado de “Estaleiro da Sustentabilidade” deve receber mais de 3 mil pessoas e é desenvolvido pela Agência Brasileira de Inovação e Sustentabilidade (ABIS) em parceria com a Quíron Educação.

O Estaleiro da Sustentabilidade está a ser montado nos antigos contentores de transportes marítimos que já tiveram sua vida útil esgotada. O ambiente interno será composto por mesas feitas com catracas; a iluminação escolhida é a fria devido à economia de luz e os lustres são de material ecológico. “Trazer o nosso projeto para dentro da Volvo Ocean Race é uma grande conquista. Acreditamos que as características de um velejador estão ligadas a de um líder sustentável entre elas: inovar e criar dentro das dificuldades, lidar com as incertezas, gerir recursos e pessoas e, principalmente, ser ético e responsável”, explica o diretor de inovação e estratégia de negócios da ABIS Daniel Isfer Zardo. A partir dessas semelhanças foram desenvolvidos os projetos para crianças e jovens. Conheça a seguir a programação desenvolvida:

Oficinas para crianças de 4 a 12 anos serão abertas ao público - As oficinas para as crianças serão de curta duração, mas com mensagens impactantes. De 30 a 45 minutos, os pequenos farão a “Volta ao Mundo” onde será apresentada a realidade do mundo atual e projeções do que pode acontecer caso não ocorra uma mudança de atitude. A partir disso, elas serão desafiadas a encontrar soluções práticas para a resolução desses problemas e maneiras de incorporá-las ao quotidiano. As atividades serão realizadas através de histórias e muitas brincadeiras interativas. “As crianças são a base para a mudança de comportamento da sociedade. Através do trabalho desenvolvido é possível formar cidadãos mais conscientes, capazes de se preocuparem não apenas com si mesmos, mas com todo o entorno”, explica Zardo. As oficinas serão realizadas de segunda a sexta-feira das 14 às 17 horas. E nos finais de semana em horários alternados com os workshops.

Formação de jovens líderes sustentáveis - Ao contrário do trabalho desenvolvido com as crianças, o processo de formação de jovens líderes sustentáveis será restrito. Estão em processo de seleção 50 jovens de 15 a 21 anos das cidades de Itajaí, Navegantes, Balneário Camboriú e Camboriú que já atuam em organizações locais focadas em trabalhos voltados à comunidade. “Nosso objetivo é transformar a vida dos jovens, e para isso fazemos um processo de seleção bastante criterioso para identificação de possíveis talentos. Isso se faz necessário porque nosso processo é seleto e focado no desenvolvimento de habilidades e competências humanas capazes de criar líderes sustentáveis independentemente da área de atuação”, destaca Zardo. Para a etapa da Volvo Ocean Race serão mais de 50 horas de trabalho, de segunda a sexta-feira, das 18 às 21 horas.
Ler mais/Fonte: nauticapress.com

 

 

   

Março 2015

Alentejo Litoral 2014-2020

Alentejo Litoral 2014-2020A CIMAL – Comunidade Intermunicipal do Alentejo Litoral está a elaborar a Estratégia de Desenvolvimento Integrado de Base Territorial para o Alentejo Litoral 2014-2020. Esta Estratégia destina-se, por um lado, à preparação do próximo período de programação comunitária, mas também a dotar o território dos instrumentos necessários para a prossecução de um modelo de desenvolvimento integrado que concorra para a competitividade, emprego e coesão.

Nesse sentido, um dos pressupostos para o desenvolvimento desta Estratégia é a valorização das valências do território e a dinamização do potencial dos recursos endógenos, infraestruturais e humanos. A metodologia adotada visa o envolvimento dos atores relevantes da sub-região, procurando a elaboração de diagnóstico participado e de uma Estratégia que seja apropriada pelos principais agentes de desenvolvimento. A elaboração da Estratégia de Desenvolvimento Integrado de Base Territorial para o Alentejo Litoral 2014-2020 comporta duas etapas:

1. Elaboração da Estratégia de Desenvolvimento Territorial 2014-2020, incluindo um diagnóstico sintético e as grandes linhas estratégicas para o Alentejo Litoral. Nesta fase incluiu-se, igualmente, todo o processo de acompanhamento e negociação com as entidades regionais e da Administração Central no âmbito da preparação das estratégias NUTS II Alentejo e nacionais para o período programação comunitária 2014-2020.

2. Plano de Ação para o Desenvolvimento da Estratégia Territorial 2014-2020, incluindo a elaboração dos planos de investimento para aplicação dos fundos comunitários do próximo quadro de apoio. Transversalmente, desenvolve-se uma proposta de modelo de governação sub-regional que garanta a coerência das intervenções e que prossiga os objetivos centrais definidos pela Comissão Europeia para o período de programação 2014-2020, enquadrando-se nos novos instrumentos previstos para a gestão e aplicação de fundos de forma integrada.
Ler mais/Fonte: cimal.pt

 

O 78º aniversário da Revista de Marinha

O 78º aniversário da Revista de MarinhaTeve lugar no passado dia 4 de Fevereiro, no Clube Militar Naval, em Lisboa, a comemoração do 78º aniversário da Revista de Marinha. O seu primeiro número, recorda-se, foi publicado em 31 de Janeiro de 1937, tendo então como Director, Mauricio de Oliveira.

O evento em apreço teve início pelas 18h30 com palavras de boas-vindas proferidas pelo Cte. Miguel Picoito, Presidente da Direcção do Clube, a que se seguiu uma curta intervenção do Diretor, V/Alm Alexandre da Fonseca, que agradeceu as muitas presenças e se referiu ao ano de 2014, assinalando que a revista... seguiu em regime de navegação corrida, no inicio do ano com mar cavado, que foi amainando... . Como referido pelo seu Diretor, foram publicados os habituais seis exemplares, apenas aumentando o número de páginas das 68 para as atuais 72. O último número da revista, a RM 983, teve 1703 envios pelo correio, a que se devem somar algumas assinaturas em formato digital. A revista é também vendida em cerca de 400 bancas.

Seguiu-se a oferta ao N.R.P. CORTE REAL, na pessoa do seu Comandante, CFrag Cortes Lopes, de uma aguarela daquele navio, que serviu de capa à RM 983, numa feliz composição do pintor de arte e estimado assinante, Sr. Fernando Lemos Gomes, presente no evento. Nesta ocasião, foi tamb3282 03ém prestada uma breve homenagem ao nosso amigo e fiel colaborador, Cte. Joaquim Ferreira da Silva – a quem desejamos uma pronta e total recuperação e cuja presença, na companhia de seus filhos, muito apreciámos - através da oferta de um objeto decorativo – um astrolábio náutico, cortesia da firma Nautique - em agradecimento pela sua estimável colaboração na revista, ao longo de muitos anos!

Teve então lugar um sorteio, seguido com muita curiosidade pelos presentes, de quatro viagens de cruzeiro entre os assinantes da revista, cortesia das firmas MSC-Cruzeiros, DouroAzul, Portuscale Cruises e agência MELAIR-Cruzeiros a cujas administrações muito agradecemos. Parabéns aos premiados: a jovem assinante Inês Santos Fernandes, Cte. Pedro Proença Mendes, Dra. Raquel Sabino Pereira e Cte. João Carmo Silva, nossos estimados assinantes, respetivamente, com os números 4747, 5872, 5550 e 4295, com sinceros votos de viagens tranquilas e repousantes !

Por fim, teve lugar a entrega do prémio literário “Revista de Marinha 2014” ao autor do melhor artigo original publicado na revista no ano passado. O Presidente do Júri, Alm. António Balcão Reis, referiu-se aos trabalhos de seleção, dificultados pela grande qualidade da maioria dos artigos, tendo na ocasião palavras de muito apreço para os nossos colaboradores. Informou que o Júri deliberou atribuir o prémio ao artigo “O Shipping, o Ambiente e a Poluição Atmosférica da Costa Portuguesa”, de que foi autor o Engº Jorge Antunes, e ainda uma menção honrosa ao texto “A Rota do Ártico”, do Sr. Dieter Dellinger. O prémio consistiu num objeto decorativo de pendor náutico, cortesia também da firma Nautique, sendo a me3282 01nção honrosa agraciada com um exemplar do livro “Fábrica das Naus”, editado pela Academia de Marinha; as entregas destes prémios foram saudadas pela assistência com calorosas salvas de palmas.

A comemoração terminou com um bem servido cocktail, cujo catering foi responsabilidade dos serviços do CMN, a quem agradecemos, e que permitiu uma agradável confraternização a um grupo de cerca de 75 convidados.
Ler mais/Fonte: revistademarinha.com

 

Símbolos Cósmicos: o Mar

Símbolos Cósmicos: o MarEntre 5 de março e 26 de abril, o Museu Dr. Joaquim Manso tem patente ao público “Símbolos Cósmicos: o Mar”, inserida na exposição “A Realidade do Imaginário”, que assinala os 30 anos do Centro Português de Serigrafia.

A exposição “A Realidade do Imaginário”, que assinala os 30 anos do Centro Português de Serigrafia, inaugura às 18h30 de 5 de março, simultaneamente em seis museus nacionais e num mosteiro emblemático da região Centro do país, com uma seleção das suas edições, num total de cerca de duzentas obras de igual número de artistas.

Associam-se a esta celebração, para além do Museu Dr. Joaquim Manso, na Nazaré, os Museus de Aveiro e Guarda, Museu Francisco Tavares Proença Júnior de Castelo Branco, Museus José Malhoa e da Cerâmica nas Caldas da Rainha, e o Mosteiro de Santa Clara-a-Velha em Coimbra, numa iniciativa da Direção Regional de Cultura do Centro e do Centro Português de Serigrafia (CPS).

A exposição, comissariada por Maria João Fernandes (A.I.C.A., Associação Internacional de Críticos de Arte) e com direção artística de Alexandra Silvano, desenvolve em diversos núcleos, tematicamente, os motivos e os símbolos dos grandes Regimes Diurno e Noturno da Imagem, tal como são abordados pelo grande ensaísta e antropólogo francês Gilbert Durand. O Museu Dr. Joaquim Manso, na Nazaré, recebe um conjunto alusivo ao mar, “Símbolos Cósmicos: o Mar”, enquanto alguns dos mais belos livros e álbuns de arte editados pelo CPS se espalham pelos vários espaços.
Ler mais/Fonte: nauticapress.com

 

 

   

Fevereiro 2015

SGL promove viagem a Ceuta

SGL promove viagem a CeutaNo programa das Comemorações do 6º Centenário da Tomada de Ceuta, que ocorreu em 1415, há 600 anos, e que a Sociedade de Geografia de Lisboa vem realizando desde 2013, está prevista a realização, este ano, de um cruzeiro aquela cidade do Norte de África, a bordo do lugre SANTA MARIA MANUELA. A viagem em apreço, com partida e chegada a Lisboa, está previsto decorrer de 28 de Março a 3 de Abril.

Após cruzar o Cabo de S. Vicente e a Ponta de Sagres, haverá uma paragem simbólica na baía de Lagos, e uma estadia de 2 dias em Ceuta, onde estão programadas visitas históricas e conferências. Durante a viagem terão lugar a bordo aulas de marinharia e de palestras sobre os Descobrimentos Portugueses.

O SANTA MARIA MANUELA é um bonito veleiro, um antigo navio da pesca do bacalhau, construido em 1937, em boa hora recuperado pela empresa Pascoal e Filhos, de Aveiro, tendo sido dotado de confortáveis alojamentos, camarotes de 2, 4 e seis pax, e está equipado para a realização de cruzeiros de grande qualidade.

Os interesados em participar neste cruzeiro deverão contactar com a SGL, tel 21 342 45 40 ou 21 345 5068, e-mail 3271 Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar . O numero de lugares disponiveis é limitado, tendo os sócios da SGL prioridade na reserva de camarotes.
Ler mais/Fonte: revistademarinha.com

 

OCEANO XXI realiza série documental sobre o Mar

OCEANO XXI realiza série documental sobre o MarA Oceano XXI, na qualidade de entidade dinamizadora do Cluster do Conhecimento e da Economia do Mar em Portugal, promoveu a realização de uma série televisiva, “Mar, a Terra Prometida”, que está a ser transmitida na SIC Notícias e que tem envolvidos diversos associados e parceiros do Cluster.

“Mar, a Terra Prometida” é uma série documental constituída por 13 episódios, com cerca de 10 minutos cada, que abarca um diverso conjunto de temáticas relacionadas com o Mar. São abordadas fileiras como a aquacultura e a sua crescente importância na Economia do País; a biotecnologia marinha e a valorização de subprodutos do Mar; a importância da sustentabilidade do recurso Mar; os recursos minerais e geológicos, desde a sua exploração à prospeção; os portos e o turismo náutico; as energias renováveis e seu desenvolvimento; a importância da extensão da plataforma continental e a consequência da aprovação nas Nações Unidas; as ameaças, emergências e segurança no Mar Português; os serviços ligados às operações marítimas; e também a formação e competências necessárias para se operar no Mar.

A série é da autoria de Augusto Barata da Rocha (Professor na FEUP, Diretor do OCEANUS – Centro de Competências da UP e Diretor da Oceano XXI), Eduardo Silva (Professor no ISEP e Investigador no INESC-TEC) e Rui Azevedo (Professor na FEUP e Diretor Executivo da Oceano XXI), e foi produzida pela POCC – Produção de Conteúdos Científicos, Lda.. Para a sua realização colaboraram os associados APDL – Administração dos Portos do Douro e Leixões, S.A., CIM Alto Minho – Comunidade Intermunicipal do Alto Minho, CIRA – Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro, INESC PORTO – Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores do Porto, ISCIA – Instituto Superior de Ciências da Informação e da Administração, ISEP – Instituto Superior de Engenharia do Porto e UP – Universidade do Porto, e ainda os parceiros WaveC – Wave Energy Centre e Clube de Vela Atlântico. Estão também associados à série um conjunto de projetos e programas de financiamento, nacionais e estrangeiros, que cofinanciaram a realização dos episódios, a saber, o projeto ATLANTIC BLUE TECH através do programa Espaço Atlântico, o projeto OceaNET através do programa Marie Curie Actions, a FCT e os programas nacionais ON.2 – O Novo Norte e COMPETE. “Mar, a Terra Prometida” é transmitida semanalmente na SIC Notícias (aos sábados pelas 09h45, com repetição às 02h45 de domingo, 15h45 de terça feira e 20h30 de sexta feira).
Ler mais/Fonte: pofc.qren.pt

 

Cursos de Astronomia e Astrofísica 2015

Cursos de Astronomia e Astrofísica 2015Abriram as inscrições para os Cursos de AeA realizados no OAL em 2015. São ministrados por professores da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e investigadores do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço. Durante o ano há cursos de Iniciação à AeA, sobre Evolução das Estrelas e de Galáxias e Cosmologia, Teoria da Relatividade além de Sistemas Planetários. Os Cursos de Observação Astronómica, dividem-se em Iniciação (há 3 por ano) e de Técnicas de Observação e Análise de Imagem.

O primeiro começa já a 24 de Janeiro com a tutoria dos Profs. Drs. Rui Agostinho e José Afonso:Iniciação à Astronomia e Astrofísica. O objetivo deste curso é explorar conceitos em todas as áreas da AeA modernas, as grandes questões atuais, mostrando as bases científicas do conhecimento com eventual recurso a cálculo simplificado. Se se interessa pelos fenómenos astronómicos, a sua observação e entendimento, então pode usufruir muito com este curso deveras abrangente.

Destina-se a qualquer pessoa e não requer formação numa área científica. Porém, a familiarização com noções de física básica poderá ser uma vantagem e, por isso, é muito recomendado a docentes do EBS que pretendam consolidar e desenvolver conhecimentos.

az-se uma introdução à utilização de telescópios em montagem equatorial motorizada. Observa-se o Sol usando diversas técnicas e, numa noite, fazem-se observações de objetos celestes. Inscrições em http://oal.ul.pt/inscricoes/
Ler mais/Fonte: nauticapress.com

 

 

   

Dezembro 2014

Veolia inicia desmantelamento de Jeanne d'Arc

Veolia inicia desmantelamento de Jeanne d'ArcApós ter ganho o concurso público europeu para o desmantelamento completo das embarcações Jeanne d’Arc e Colbert, a Veolia iniciou as operações de desmantelamento do antigo navio Jeanne d’Arc no Grande Porto Marítimo de Bordéus (GPMB).

O ciclo de trabalhos de 32 meses resulta de um investimento de 11.500 milhões de euros e incluirá a despoluição, desconstrução, valorização representando a reciclagem de mais de 90% do antigo navio de treino da Marinha Nacional de França. Está neste momento a ser implementada a despoluição, sendo que serão posteriormente necessários dez meses para remover completamente o amianto do casco antes de dar início à desconstrução completa do navio de 240 metros de comprimento, 35 metros de largura e 15 metros de altura, que levará seis meses para o corte, preparação, recuperação e eliminação de materiais.

“Estamos a apontar para uma taxa de recuperação de mais de 90% de materiais” anunciou Pascal Tissot, CEO da Bartin Recycling Group, filial da Veolia, responsável pela operação de desconstrução. “Incluindo sucata, metais não-ferrosos, resíduos de equipamentos eléctricos e electrónicos, cabos, madeiras." Já os resíduos não recicláveis, como amianto e outros resíduos serão enviados para as respectivas unidades de tratamento e valorização.

Depois do casco de 9.000 toneladas do Jeanne d’Arc, será a vez do casco de 8.500 toneladas do navio de guerra Colbert de iniciar o mesmo processo de desconstrução e reciclagem.

mbos os trabalhos são demonstrativos da capacidade de mobilização da experiência da Veolia numa actividade industrial em franca expansão. "Estamos presentes no desmantelamento de navios, mas também em plataformas offshore, aeronaves e comboios", afirmou Bernard Harambillet, CEO Veolia França Reciclagem e valorização de resíduos. “O nosso objectivo é propor soluções completas, agindo "
Ler mais/Fonte: ambientemagazine.com

 

OCEANO XXI reconhecida como Entidade Pública

OCEANO XXI reconhecida como Entidade PúblicaA Oceano XXI – Associação para o Conhecimento e Economia do Mar, assumiu o estatuto de Associação de Utilidade Pública, por Despacho n.º 12762/2014, publicado no Diário da República, 2ª série, n.º 202 de 20 de outubro de 2014, decisão que a sua Direção saúda vivamente.

Segundo a Presidência do Conselho de Ministros, pelo Decreto-lei n.º 460/77 de 7 de novembro de 1977, uma pessoa coletiva é considerada de Utilidade Pública “… caso prossiga fins de interesse geral, ou da comunidade nacional ou de qualquer região ou circunscrição, cooperando com a Administração Central ou a Administração Local, em termos de merecerem da parte da Administração a declaração de “Utilidade Pública.” (in Diário da República, 1ª série, n.º 257 de 7 de novembro de 1977).

esde 2009 que a Oceano XXI, entidade gestora do Cluster do Conhecimento e da Economia do Mar, mantém ligações às Autoridades Portuguesas e assume o papel de uma das maiores promotoras da cooperação nacional e internacional, bem como intersectorial, entre diversas entidades públicas e privadas, centros de I&D e empresas ou associações empresariais.
Ler mais/Fonte: noticiasdomar.pt

 

Economia azul é o desafio para as próximas décadas

Economia azul é o desafio para as próximas décadasInserido no Dia Nacional do Mar, a Biblioteca Municipal Rocha Peixoto recebeu a Conferência "Os desafios do Mar", por Miguel Marques, Partner da PwC e responsável pelo centro de competências da consultora para assuntos de economia do mar, na segunda-feira, dia 17, às 18h00.

Miguel Marques defende que a economia azul desempenhará um papel fundamental no crescimento dos países costeiros e será vital para aumento do emprego.

Miguel Marques sustenta que existem inúmeras oportunidades na economia do mar, em particular, nas indústrias relacionadas com transporte, portos e logística, energia, alimentação e abastecimento de água, bem como no turismo. No entanto, mais trabalhadores têm que ser formados e treinados nas profissões marítimas. Se devidamente aproveitado, o mar será vital na redução do desemprego.

Dada a sua localização privilegiada junto à costa marítima, a Póvoa de Varzim encontra-se no foco do grande desafio nacional das próximas décadas: o desenvolvimento da economia azul.

A Biblioteca Municipal desenvolveu ainda outros eventos na Póvoa de Varzim, entre 14 e 17 de novembro, comemorativos do Dia Nacional do Mar: a sessão “O MAR em versos” e a Mostra de livros “Conhecer o Mar” (no Diana Bar).
Ler mais/Fonte: cm-pvarzim.pt

 

 

   

Novembro 2014

"Posso estar em alto-mar e comer um bom caldo-verde português"

"Posso estar em alto-mar e comer um bom caldo-verde português"Ricardo Diniz estreia-se na mítica Rota do Rum, prova de vela solitária que liga a França ao México. Espera fazer travessia em 24 dias.

"Há uns anos trabalhava nos barcos que iam participar na Route du Rhum, agora vou participar. Às vezes não acredito! Foi muito duro chegar aqui..." Foi assim que o velejador solitário, Ricardo Diniz, abriu o coração ao DN, dias antes de começar a mítica prova transatlântica, que liga St. Malo (França) a Guadalupe (México), desde 1978, a cada quatro anos, e que o português espera cumprir em 24 dias ou 21 "se tiver vento e mar a favor"...

É o primeiro português a fazer a travessia e não está habituado a tanta atenção. "Há milhares de pessoas nas docas, querem ver os barcos, tirar fotografias, pedir autógrafos, falar connosco. Para ter algum sossego estes dias só saindo incógnito, de gorro e roupa informal. É uma atenção muito boa, mas eu estou doido para ir para o mar e ficar sozinho", confessa o velejador... solitário. Desta vez, vai ter a companhia de mais de 90 embarcações em alto-mar, desde os F1 à vela aos pequenos veleiros como o dele: "O barco é a minha ligação à vida. O mar por vezes é injusto, mas o barco nunca!"

Ricardo vai encarar o mar pela primeira vez em competição: "Para mim competir é chegar ao fim." E assim que partir de St. Malo, no domingo, entra "em modo militar". Ou seja, esquece o frio, a fome e o sono, porque o primeiro objetivo é "sobreviver à primeira semana!". E esperam-no "dias muito duros" em alto-mar. "Nos primeiros dias vou estar quase sempre acordado. Durmo quatro horas por dia, 10 a 15 minutos de cada vez. Mas pela previsão do tempo, acho que nem isso vai dar. Está previsto um temporal na zona de França nos primeiros dias e ninguém vai dormir com medo de bater noutro barco ou afastar-se da rota", contou.

Para estar alerta é essencial manter-se hidratado, beber muita água e ingerir suplementos vitamínicos. Apesar de ter uma alimentação cuidada "por norma", durante a preparação para a prova o velejador preocupou-se em recuperar os sete quilos perdidos na expedição ao Brasil em junho: "Já sei que os vou perder outra vez!"
Ler mais/Fonte: dn.pt

 

Portugal quer investir no mar mas faltam marinheiros

Portugal quer investir no mar mas faltam marinheirosMário Ferreira, proprietário da Douro Azul, anda numa azáfama para encontrar comandantes e chefes de máquinas portugueses para integrar as tripulações dos dois navios que vão começar a operar na Amazónia em 2016.

"Em Portugal, há falta de comandantes e, mais do que isso, chefes de máquinas que estejam familiarizados com máquinas modernas. Quando existem, estão a trabalhar em companhias de cruzeiros internacionais", lamentou o empresário, ao Dinheiro Vivo.

Em Portugal há apenas uma escola a formar marinheiros e as taxas de empregabilidade são de quase 100%: a Escola Superior Náutica Infante D. Henrique (ENIDH), em Oeiras. Mas a dificuldade em encher os cursos agravou-se, desde 2012, quando passaram a ser obrigatórios exames de Matemática e Física para o acesso, e o fim dos subsídios aos armadores que recebiam estagiários deixa muitos recém-licenciados sem poder embarcar e, consequentemente, obter a carta de oficial.
Ler mais/Fonte: jn.pt

 

Um edifício, dois gigantes do surf e uma família: o futuro da estalagem Narciso

Um edifício, dois gigantes do surf e uma família: o futuro da estalagem Narciso decide-se esta semanaUm concurso para a reabilitação do antigo estabelecimento da praia de Carcavelos reacendeu uma antiga disputa entre a família e a autarquia. Pelo meio, há duas marcas de surf interessadas no espaço.

A praia de Carcavelos já está habituada a grandes duelos de surf, mas aquele que opõe a Quiksilver e a Billabong será talvez dos maiores a que a praia já assistiu – e também um dos mais controversos. O desafio é a reabilitação e futura exploração do edifício onde funcionou a antiga estalagem Narciso – e aquelas duas marcas de surf apresentaram projetos a concurso, cujo vencedor será anunciado na próxima sexta-feira, 31 de outubro. Só que a família Narciso, que explorou a estalagem até 2000, diz-se vítima de roubo e promete não desistir da propriedade do edifício.

A iniciativa do concurso partiu do Centro Recreativo e Cultural Quinta dos Lombos, cuja secção náutica já está instalada no edifício Narciso, que desde setembro do ano passado é o Cascais Surf Center, acolhendo diversas instituições ligadas à modalidade e ao bodyboard.

Falta agora recuperar o que resta do Narciso. “Vai ser um elemento icónico, fazendo a devida homenagem a toda a história ligada ao senhor Narciso que desenvolveu aquele espaço”, disse, na apresentação dos projetos, no início de outubro, Miguel Luz, vice-presidente da autarquia. A homenagem a Narciso Luíz Grave Júnior é merecida, mas não desta forma, defende Luís Narciso Félix, neto do construtor e primeiro proprietário do edifício, que foi erguido nos anos 1950 e encerrou ao público em agosto de 2000.

Nesse ano, o espaço viu-se forçado a fechar portas depois de uma inspeção sanitária ter concluído que não reunia as devidas condições para estar em funcionamento. Mas os problemas do Narciso terão começado em 1998, quando foi aprovado o Plano de Ordenamento da Orla Costeira de Cascais, segundo o qual a estalagem se encontrava em domínio público marítimo, o que tinha duas consequências. Por um lado, a estalagem passava para a propriedade do Estado. Por outro, a família era obrigada a fazer obras no espaço para não perder a concessão. “Os projetos tinham de ser aprovados pelo Ministério do Ambiente e pela câmara”, relata Luís Narciso, que acusa o município de nunca ter dado o seu aval aos trabalhos.

A câmara de Cascais confirma que o atual proprietário do edifício é o Estado, “como em todas as restantes concessões no domínio público marítimo”. A família, no entanto, não concorda e escuda-se numa licença de utilização do estabelecimento por 99 anos que teria sido entregue a Narciso Júnior e que, entretanto, terá desaparecido.
Ler mais/Fonte: observador.pt

 

 

   

Outubro 2014

Porto de Lisboa, Marítimo-Turística crescimento de 41% comparativamente a 2013

Porto de Lisboa, Marítimo-Turística crescimento de 41% comparativamente a 2013A atividade marítimo-turística no Porto de Lisboa, comparativamente ao mesmo período do ano anterior, registou um crescimento de 41% nas licenças atribuídas, evidenciando assim a forte tendência de crescimento registada este ano.

No âmbito da prossecução dos objetivos estratégicos da APL, a atividade de Marítimo-Turística e ensino de vela desempenham um papel importante. É neste sentido que a APL vem colaborando com entidades que utilizam as Docas de Recreio para exercer a atividade marítimo-turística, incrementando relações de parceria e potenciais sinergias, criando e desenvolvendo as condições físicas necessárias, quer em terra quer no plano líquido, para o incremento desta atividade.
Ler mais/Fonte: nauticapress.com

 

Rebocadores. As máquinas que trazem os barcos a bom porto

Rebocadores. As máquinas que trazem os barcos a bom portoPodem parecer as personagens secundárias de um filme ou mesmo os duplos que fazem o trabalho mais difícil sem receber os louros. Mas a verdade é que sem a força de um rebocador os grandes navios que todos os dias chegam ao Porto de Lisboa não atracavam com a pompa (e a segurança) que faz parar quem passeia pela zona ribeirinha da cidade. Basta entrar a bordo de um dos rebocadores da Svitzer, uma das empresas a operar no Porto de Lisboa, para perceber que o trabalho dos três membros da tripulação é digno de passadeira vermelha, cor que até predomina no local, tanto nos tons escolhidos para pintar as embarcações como nas centenas de contentores que enchem o cais.

No total são 12 os rebocadores que operam no principal terminal de transporte marítimo português. Estão encarregados de rebocar os navios que chegam em toda a área de jurisdição do Porto de Lisboa, entre a torre do Forte de São Julião da Barra e a ponte de Vila Franca de Xira. Apesar da extensa área, o trabalho acaba por se fixar mais na área comercial, entre Alcântara e Santa Apolónia.

O i deu início à viagem a partir do terminal de cruzeiros da Rocha Conde de Óbidos, numa iniciativa da Ciência Viva, que organiza visitas guiadas durante o mês de Setembro. Sete dos rebocadores do porto fazem parte da frota da Resistência, a única empresa concorrente da Svitzer, uma empresa internacional que opera em mais de 50 portos em 35 países. Em Portugal, a empresa mantém cinco rebocadores em Lisboa e dois em Sines. Subimos então a bordo do Leixões, deixando no cais o Lisboa, o Funchal, o Sines e o Montebelo, todos os nomes seguidos de Svitzer, neste caso o denominador comum das embarcações.

A tripulação de cada rebocador é composta por três elementos: o mestre, o marinheiro e o maquinista. Ao seguir de perto o mestre é fácil perceber que caem nele todas as responsabilidades de navegação. Na sala envidraçada de onde controla os comandos, Luís Filipe mantém a calma de quem trabalha no mar há 24 anos. "Fazemos em média sete a dez manobras por dia", explica ao i, enquanto olha atentamente para o radar no qual só o olho clínico do mestre consegue decifrar rotas. "Estamos a passar perto do Terreiro do Paço e é neste ecrã que conseguimos acompanhar as movimentações à nossa volta. Cada triangulozinho que aqui aparece corresponde a um barco que se aproxima. Ao clicar percebemos todas as informações sobre cada um deles", referiu. Atrás de uma mesa cheia daquilo que parecem botões, números e vozes que saem de intercomunicadores, Luís decifra rapidamente os objectos enquanto vai apontando para cada um: joystick de controlo de navegação, ponteiros que indicam a rotação das máquinas e hélices, ecrãs que mostram a pressão de ar e os telefones de ligação ao porto. Aprendida a lição e já com o rebocador de novo em terra, descemos até à casa das máquinas, o centro de onde sai a força de uma embarcação de ferro que pode chegar às 600 toneladas. Júlio Laranjeiro é o maquinista de serviço e garante que, apesar da complexidade do trabalho para quem vê os instrumentos pela primeira vez, "é um motor que funciona quase como o de um carro". O responsável está encarregado de pôr a embarcação a funcionar, accionando todos os comandos, mas depois de dado o arranque tem de sair do local. "É um calor quase insuportável", garante. Como uma espécie de ajudante para todo o serviço está ainda a bordo o marinheiro. Sobre ele recai a tarefa de articular os trabalhos entre o mestre e o maquinista e é ele quem passa a linha entre o rebocador e o outro navio, fazendo a ligação entre as embarcações para que seja feito o reboque.

Apesar das 600 toneladas de ferro parecerem já em si um peso de respeito, a verdade é que é capaz de manobrar barcos com um tamanho bastante superior. "O truque está no facto de o barco flutuar, ou seja, não é puxado o peso em bruto. Além disso, proporcionalmente, apesar de mais pequeno que o navio, o rebocador tem um motor muito mais potente", explicou ao i Eduardo dos Santos, director de operações da Svitzer Portugal. O responsável trabalha na parte administrativa há pouco mais de um ano, depois de décadas em alto mar. É tudo uma questão de perspectiva, garante: "Em vez de ser eu a chegar, fico a ver chegar."

A visita não fica completa sem a passagem pelas acomodações da tripulação, com cinco camaratas - operações mais complexas exigem mais trabalhadores - além de cozinha e sala de estar equipadas com computadores, aparelhagens e televisões. "É quase como uma segunda casa?", questionamos. "Tendo em conta as horas que passamos aqui com os nossos companheiros, muitas vezes é a primeira", ironiza o mestre Luís Filipe.

A reivindicação já era antiga mas o rebocador só chegou ao porto do Algarve este Verão. A embarcação atracou no porto de cruzeiros de Portimão em Junho, depois de a Administração dos Portos de Sines e do Algarve terem assinado um contrato de licenciamento com a empresa de reboques portuários Svitzer. A primeira solicitação do serviço aconteceu em Agosto, coincidindo com a primeira escala de um navio de cruzeiro, confirmou ao i fonte da administração dos portos.

A presença de um rebocador no litoral algarvio era, segundo os trabalhadores do porto, uma necessidade urgente. Em Janeiro, devido à falta deste serviço que ajudasse na manobra de entrada no porto e de atracagem, um navio de passageiros que regressava da passagem de ano na Madeira e deveria ter seguido directamente para Lisboa, teve de ficar atracado ao largo de Portimão durante dois dias.

Em 2013, o governo anunciou o investimento de 10 milhões de euros nos cinco anos seguintes para que o porto de Portimão pudesse receber navios de grande porte, o que não acontecia por falta de desassoreamento dos canais de navegação e de um rebocador. Já para Faro está prevista a requalificação do cais, para que dois navios possam operar em simultâneo, o que actualmente não acontece, e também a realização de trabalhos para melhorar os acessos ao canal de navegação.

O avanço nos investimentos poderá ter novo impulso com a integração dos portos algarvios na Administração do Porto de Sines, transferência aprovada em Janeiro. À nova entidade, denominada Administração dos Portos de Sines e do Algarve (APS, S.A.), são atribuídas as responsabilidades que até aqui cabiam ao Instituto Portuário e dos Transportes Marítimos (IPTM).
Ler mais/Fonte: ionline.pt

 

Os novos Porta-Aviões classe FORD da U.S. Navy

Os novos Porta-Aviões classe FORD da U.S. NavyNo dia 11 de Outubro de 2013, a filha do ex-presidente Gerald R. Ford carregou no botão para alagar a doca de construção dos estaleiros Newport News Shipbuilding, a fim de pôr a flutuar o novo porta-aviões CVN 78 GERALD R. FORD; o primeiro navio do programa CVN 21 destinado a substituir o já retirado CVAN 65 ENTERPRISE de 1961 e os igualmente gigantes da classe NIMITZ, cujo navio que dá o nome à classe faz agora 39 anos de serviço pois entrou ao serviço em 1975.

Ao todo, a U.S. Navy pretende ter 10 a 11 FORD até 2040 a 2050, devendo o primeiro estar concluido em 2015 ou 2016 e o segundo, o CVN 79 JOHN F. KENNEDY em 2019.

A nova classe está envolvida em várias polémicas. A primeira é que, para muitos pensadores militares e políticos norte-americanos, trata-se de navios demasiado grandes, caros e pouco numerosos. Muitos estrategas preferiam que a Navy viesse a ter uma vintena, ou mais, de porta-aviões mais pequenos para evitar uma catástrofe em caso de ataque e afundamento de algum dos novos navios com cerca de 100 mil tons de deslocamento, ainda mais que os NIMITZ, e uma guarnição de cerca de cinco mil almas. Contudo, a marinha americana possui uma apreciável quantidade de navios de assalto que são pequenos porta-aviões com a versão americana dos Harrier britânicos e que poderão levar os F-35 Lightning STOVL de descolagem muito curta, logo que estejam disponíveis.

Já nos anos 70 do século passado, as administrações Carter e Ford apresentaram ao Congresso os projetos do Alm. Zumwalt então empenhado em reduzir os custos dos grandes navios e evitar a contínua tendência para o gigantismo. Nessa altura apresentaram os planos do “Medium Aircraft Carrier Project” (CVV) que previa unidades de 45 a 59 mil tons de deslocamento médio, sem propulsão nuclear e suscetíveis de serem construídos em maior número porque uma unidade num teatro de operações significa ter três, ou seja, uma em manutenção e outra a navegar para ou do local em causa. De qualquer maneira, o projeto CVV mostrou que teria muitas falhas em termos de equipamento, velocidade e número de meios aéreos que seriam da ordem dos 50 em vez dos 90 da classe NIMITZ ou do seu antecessor único ENTERPRISE. Com duas catapultas a vapor, esses porta-aviões propulsionados a turbina a vapor veriam a sua velocidade reduzida sempre que tivessem de lançar muitos aviões para o ar.

A favor dos porta-aviões mais pequenos e em maior número militam hoje aqueles pensadores que admitem ataques assimétricos de aviões de comando remoto ou mísseis de cruzeiro suscetíveis de serem construídos por potências de “segunda classe”. Seriam “Kamikazes” em grande quantidade e de modo a saturarem as defesas de um porta-aviões. Os americanos, contudo, confiam na observação por satélite e em aviões de deteção antecipada e na possibilidade de a sua superior eletrónica conseguir anular as radiações eletromagnéticas de comando a grandes distâncias, tendo ainda algo “na 3165 02manga” para anular a aproximação de ameaças robotizadas ou comandadas à distância.

Outra controvérsia que foi lançada pela Associação dos Veteranos dos Porta-Aviões é a denominação das novas unidades, pois muitos dos antigos marinheiros estão contra o fato de se darem nomes de políticos de “segunda classe” (ex-presidentes), no seu entender, esquecendo nomes de navios que fizeram história na marinha americana como SARATOGA, YORKTOWN, HORNET , etc., cujos nomes gostariam de voltar a ver nos cascos das novas unidades.
Ler mais/Fonte: revistademarinha.com

 

 

   

Setembro 2014

XVIII Regata Internacional Canárias-Madeira

XVIII Regata Internacional Canárias-MadeiraA Madeira acolhe mais uma edição da Regata Internacional Canárias-Madeira, um verdadeiro intercâmbio cultural que junta centenas de amantes da prática de vela.

Trata-se de um dos mais antigos e maiores eventos desportivos realizado desde 1978 por iniciativa do Clube Naval do Funchal, numa coorganização com o Real Clube Náutico de Gran Canária, e que conta com o apoio do Turismo da Madeira, da APRAM – Portos da Madeira, entre outros. A partida oficial está agendada para o dia 9 de setembro a partir de Las Palmas de Gran Canaria.

O programa integra, entre outras atividades lúdicas, a Festa da Cerveja Coral, a decorrer na Marina do Funchal entre os dias 12 e 14 de setembro, e o II Torneio de Golfe/Regata Madeira-Canárias, com o qual se pretende divulgar o património natural da ilha, desde o mar até à serra, para além de diversos passeios a pé pela Floresta Laurissilva.

No dia 13 realizar-se-á na Quinta Calaça a cerimonia de entrega de prémios e o jantar de encerramento, seguido da “Festa Branca”, com a qual o Clube Naval assinala o final da época balnear.
Ler mais/Fonte: visitmadeira.pt

 

“Swim Challenge” regressa a Cascais

“Swim Challenge” regressa a CascaisCascais volta a ser palco de mais um evento desportivo de excelência, o Swim Challenge, competição de natação em águas abertas, agendado para 13 de setembro.

Com o apoio da Câmara Municipal de Cascais, a prova organizada pela 3 Iron Sports, reúne os melhores atletas de natação em águas abertas, estimando-se a participação de 600 nadadores e afirmando-se já como uma referência no universo desportivo.

Orientado para profissionais e amadores, o Swim Challenge Cascais, que vai na sua 3ª edição, conta com quatro provas: Milh Open, com a presença dos melhores nadadores nacionais; Milha Cascais, aberta a todos os que queiram participar; e as provas Kids 400 metros e Kids 200 metros, destinadas a crianças entre os 7 e 15 anos.

As provas têm início a partir das 9h00. O prazo normal de inscrições decorre até dia 7 de Setembro em www.swim-challenge.com. São permitidas confirmações de última hora no dia e local da prova entre as 08h00 e as 08h30, com um acréscimo ao valor da inscrição.
Ler mais/Fonte: desportonalinha.com

 

Sines, Leixões e Lisboa entre os 200 principais portos de contentores do mundo

Sines, Leixões e Lisboa entre os 200 principais portos de contentores do mundoOs portos portugueses de Sines, Leixões e Lisboa estão entre o top 200 dos maiores portos de contentores do mundo, posicionando-se no 108º, 123º e 131º lugar, respectivamente. Em termos globais, os portos chineses continuam a liderar o ranking com uma quota de mercado de 34,9%.

Num recente estudo realizado pelo jornal espanhol “Transporte XXI”, os 200 portos de contentores do mundo movimentaram 557 milhões de TEUS em 2013, o que corresponde a um crescimento de 3,15% face a 2012. 37% deste tráfego foi captado pelos 10 primeiros portos, num total de 205 milhões de TEUS. O porto chinês de Xangai perdeu a liderança do ranking para Singapura, que volta assim a recuperar uma posição de destaque. Singapura cresceu 14% nos últimos três anos, tendo movimentado 34,3 milhões de TEUS, contra o porto de Xangai que movimentou 33,7 milhões. Nas primeiras 10 posições encontramos ainda os portos de Shenzhen, Hong Kong, Busan, Ningbo-Zhoushan, Quingdao,Guangzhou e Dubai.

A campanha espanhola, além dos dois, terá os espanhóis Ñeti Cuervas-Mons e Rafa Trujillo, além do francês Nico Lunven. Outro francês, Michel Desjoyeaux, ajudará na preparação. “Temos sorte de contar com o Desjoyeaux. Ele tem um conhecimento muito grande da modalidade e vai nos ajudar nesse projeto”.

Em termos mundiais assiste-se a uma clara liderança dos portos chineses, com um total de 177,5 milhões de TEUS movimentados, seguidos pelos portos norte-americanos, com 36,2 milhões. Entre os principais países europeus encontramos a Alemanha com 18,1 milhões de TEUS, Holanda, com 11,6 milhões, Bélgica, com 10,6 milhões, e Espanha com 10,4 milhões. Na 108º posição encontramos Sines com 931.037 TEUS, seguindo por Leixões, na125º posição, com 626.194 TEUS, e Lisboa, na 131º posição, com 549.302 TEUS.
Ler mais/Fonte: portosdeportugal.pt

 

 

   

Agosto 2014

Um mar de oportunidades

Um mar de oportunidadesA Imagens de Marca mergulhou numa das maiores riquezas do país: o mar. É este o mote para uma emissão especial que vai aprofundar conhecimentos sobre a importância da economia do Mar.

O setor representa cerca de 2,5% do PIB português mas a estratégia nacional do Mar pretende duplicar este valor até 2020. O país mais atlântico de toda a Europa procura alargar as suas fronteiras marítimas para reforçar a sua aposta em áreas como o Turismo ou as Pescas mas também em novas áreas em crescimento como as Energias Renováveis, a Biotecnologia ou a exploração dos fundos oceânicos.

O peixe português é apontado por muitos como o melhor do mundo, razão pela qual vamos conhecer uma das empresas do setor. Nascida em 1977 a Gelpeixe leva os sabores do peixe congelado português e internacional a diferentes pontos do globo.

A Inovação é um dos pilares fundamentais para o crescimento da Economia do Mar e aliada ao conhecimento científico, várias empresas conquistam o mundo através de algas nacionais… De produtos comestíveis à dermocosmética passando pelos biocombustíveis, as algas afirmam-se como uma mais-valia no mundo dos negócios.

Sem algas no mar mas com muitas ondas para surfar. Esta pode ser a premissa da Ahua, marca portuguesa que produz pranchas de surf inspiradas na tradição do Havai. Mas se até aqui este pode ser apenas mais uma marca, a verdade é que Nuno Mesquita, fundador da marca, desenvolveu um novo conceito de surf: as handplanes, pranchas que se utilizam nas mãos e permitem uma melhor prática para quem gosta de apanhar ondas com o próprio corpo, as chamadas carreirinhas. É a fórmula de sucesso de quem conseguiu juntar a paixão pelo surf e pela arquitetura num só desporto.
Ler mais/Fonte: imagensdemarca.sapo.pt

 

Registo MAR cresce no I Semestre de 2014

Registo MAR cresce no I Semestre de 2014 Os dados finais do primeiro semestre de 2014 relativos ao registo MAR revelam um conjunto de indicadores de grande relevância.

No total, a 30 de Junho de 2014, estão registadas no MAR 302 navios e embarcações, englobando navios de comércio, iates comerciais e iates de recreio. Este valor representa um aumento de 30 unidades em relação ao fim do primeiro trimestre de 2014, quando com um total de 272 navios e embarcações registadas o MAR atingia o maior número de registos desde o momento da sua criação no âmbito do Centro Internacional de Negócios da Madeira (CINM). Trata-se de um balanço que, a exemplo do final de 2013, assinala de forma inequívoca uma das evoluções mais positivas do registo MAR.

Neste quadro, destaca-se, em particular, o crescimento de cerca de 30% no número dos navios de comércio registados, com relação ao período homólogo do ano anterior. Com efeito, a 30 Junho de 2013 estavam registados 155 navios de comércio, enquanto que, no fim dos primeiros seis meses de 2014, o MAR alcançou os 200 navios deste tipo. O aumento do número de novos navios e a consequente melhoria da qualidade da frota, o crescimento da tonelagem de arqueação bruta (TAB)e a diminuição da idade média dos navios (para 14 anos), apresentam igualmente indicadores interessantes que atestam as potencialidades do MAR para impulsionar a marinha mercante com bandeira nacional. A este título, note-se que a evolução da TAB no período em análise é outro dos dados importantes a reter, já que passou de um total de 1.653.620 para 3.472.826, o que corresponde a uma variação positiva de 110%. É de salientar que na sua larga maioria os navios registados são de países europeus, com tradição muito vincada nas actividades marítimas, sendo de sublinhar que no final do semestre o mercado alemão assegurava 46 % dos registos, o italiano 20 % e o espanhol 11%.

Para o crescimento sustentado do MAR muito têm contribuído as acções promocionais desenvolvidas nos diversos mercados pela S.D.M. enquanto entidade concessionária do CINM, pugnando sempre pela implementação das melhores práticas internacionais no sector. Neste particular, a parceria estratégica levada a cabo pela S.D.M. com a Euromar - EU Registry (uma empresa de capitais alemães, com uma vasta experiência no sector do transporte marítimo), concretizada no final do ano passado, para além de reforçar a promoção do Registo Internacional de Navios da Madeira, tem vindo a conferir um novo e forte impulso à competitividade e eficácia deste sector de actividade. Este sucesso, no entanto, não deve obliterar que, tendo em conta a estratégia integrada que Portugal tem procurado desenvolver no quadro da denominada "economia do mar", o contributo do MAR para a marinha mercante nacional no plano mundial poderá ser ainda mais vincado.

Para o efeito, é importante que o País e respectivas entidades oficiais adoptem medidas para aumentar a sua competitividade, tais como a pronta e adequada ratificação por Portugal da Convenção Internacional do Trabalho Marítimo - MLC (2006) e, também, a adopção das melhores práticas internacionais quanto ao reconhecimento dos certificados dos oficiais com funções de gestão, medidas fundamentais para atribuir ao MAR condições de competitividade, pelo menos idênticas às verificadas nos outros registos marítimos europeus de qualidade com que tem de concorrer. Nesse sentido, apesar dos resultados já alcançados, a S.D.M., em articulação com o Governo Regional, tem procurado de forma constante e assertiva, designadamente junto da Secretaria de Estado do Mar, encontrar formas de ultrapassar os constrangimentos operacionais que ainda prejudicam a competitividade do Registo, e, logo, as suas condições de promoção e atractividade num sector altamente dinâmico a nível mundial.
Ler mais/Fonte: revistademarinha.com

 

Campeão olímpico aceitou o desafio de levar a Espanha ao título da Volvo

Campeão olímpico aceitou o desafio de levar a Espanha ao título da VolvoIker Martínez será, mais uma vez, o comandante da campanha espanhola na Volvo Ocean Race, repetindo a temporada 2011-12, quando foi o líder do Telefónica nas regatas. O velejador de 37 anos já estava na equipe, mas não tinha a intenção de assumir o comando. Iker Martínez faz campanha olímpica de Nacra 17, categoria que estreia nos Jogos de 2016. Ele venceu recentemente o europeu da classe. Com o foco novo para a Volvo Ocean Race, Iker Martínez e sua equipe já trabalham na Galícia para conquistar o título da edição 2014-15 da regata. Na temporada passada, o Team Telefónica esteve com a mão na taça, mas foi superado pelo Groupama nas pernas finais.

“Estou muito feliz em ser o comandante em mais um projeto. Levar a bandeira do meu país é um orgulho”, disse Iker Martínez. “Será um grande desafio por vários motivos, incluindo a dificuldade da regata e o pouco tempo de preparação até a largada, em 11 de outubro. Sabemos que corremos contra o tempo em relação aos outros times”. Iker Martínez foi campeão olímpico em Atenas-2004 na classe 49er, ao lado de Xabi Fernández, também companheiro de equipe na Volvo Ocean Race. Em Pequim-2008, a dupla ficou com a prata.

A campanha espanhola, além dos dois, terá os espanhóis Ñeti Cuervas-Mons e Rafa Trujillo, além do francês Nico Lunven. Outro francês, Michel Desjoyeaux, ajudará na preparação. “Temos sorte de contar com o Desjoyeaux. Ele tem um conhecimento muito grande da modalidade e vai nos ajudar nesse projeto”.

Michel Desjoyeaux é especialista em navegação em solitário. No seu currículo estão as participações em eventos como Vendée Globe, Solitaire du Figaro e Route du Rhum. O francês já correu a Volvo Ocean Race/Whitbread Round the World Race em 1985-86 (Cote d’Or), em 1989-90 (Charles Jourdan) e na temporada 1993-94 (La Poste). No próximo sábado (19), a equipe irá disputar a Volta das Ilhas Canárias. Além dos espanhóis, outras duas equipes da Volvo Ocean Race estarão na regata: Team Brunel e Team SCA. A Volvo Ocean Race 2014-15 começa em 4 de outubro deste ano com a In-port Race de Alicante, na Espanha. Foto: María Muñia
Ler mais/Fonte: nautica.com.br

 

 

   

Julho 2014

Espanha na Volvo Ocean Race 2014-15

Espanha na Volvo Ocean Race 2014-15Iker Martinez e Xabi Fernandez voltam à regata à volta do Mundo – Volvo Ocean Race, para tentar a partir de Outubro próximo uma vitória.

Espanha, sede da Volvo Ocean Race, não podia ficar de fora desta mítica regata e nesta quinta-feira, dia 19 de Junho, confirmou o sxto braco para a Volta ao Mundo, que terá os campeões olímpicos Iker Martinez e Xabi Fernandez na tripulação. O patrocinador do barco ainda não foi definido, mas o empresário Pedro Campos, um dos principais patronos da vela mundial, confirmou a campanha espanhola na edição 2014-15, que começa em outubro com a in-port race de Alicante.

Os medalhados olímpicos Iker Martinez e Xabi Fernández, ouro em Atenas-2004 e prata em Pequim-2008 na classe 49er, terão a chance de reescrever a história da Volvo Ocean Race, já que na edição 2011-12, o Telefónica liderou boa parte da competição, mas a quebra do leme na penúltima etapa tirou as chances de título, que ficou para o Groupama, da França.

A regata, que começa em 4 de outubro, terá, além da equipa espanhola, as equipas do Abu Dhabi Ocean Racing, Dongfeng Race Team, Team Brunel, Team Alvimedica e Team SCA.
Ler mais/Fonte: mundonautico.pt

 

APSS e Associação Portuguesa do Património Marítimo com Protocolo de Cooperação

APSS e Associação Portuguesa do Património Marítimo com Protocolo de CooperaçãoA APSS – Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra, SA e a APPM – Associação Portuguesa do Património Marítimo celebraram um Protocolo de Cooperação, com o objetivo da promoção e conservação do património marítimo de onde se distinguem as embarcações tradicionais do estuário do Sado a navegar.

Concretamente, o Protocolo permitirá a promover a sustentabilidade da conservação do Património Marítimo Histórico e Cultural Português e a recuperação e conservação das embarcações tradicionais do estuário do Sado a navegar, denominadas “Hiate de Setúbal”, “Zé Mário”, “ Pego do Altar” e “Riquitum”.Concretamente, o Protocolo permitirá a promover a sustentabilidade da conservação do Património Marítimo Histórico e Cultural Português e a recuperação e conservação das embarcações tradicionais do estuário do Sado a navegar, denominadas “Hiate de Setúbal”, “Zé Mário”, “ Pego do Altar” e “Riquitum”.

O Turismo Náutico é uma forte aposta da APSS, que tem vindo a ser desenvolvido em harmonia com as restantes atividades do Porto de Setúbal.O Turismo Náutico é uma forte aposta da APSS, que tem vindo a ser desenvolvido em harmonia com as restantes atividades do Porto de Setúbal.

Para além de outras iniciativas, destaca-se o lançamento da campanha de comunicação “Passeios no Sado” com o objetivo de reunir e divulgar, em diversos suportes de comunicação, informação sobre a atual oferta de passeios em embarcações no rio Sado, contribuindo para a captação de clientes regionais, nacionais e estrangeiros.
Ler mais/Fonte: portosdeportugal.pt

 

Náutica de recreio e AEP no mesmo barco

Náutica de recreio e AEP no mesmo barcoO debate está lançado: o que fazer para dotar Portugal de uma estratégia colectiva que acelere a organização da fileira da náutica de recreio, capacitando-a para competir no mercado global? Foi esta a principal questão suscitada nas reuniões que a Associação Empresarial de Portugal (AEP) levou a cabo nas últimas semanas, de Norte a Sul do país, para apresentar o projecto Portugal Náutico a agentes institucionais, operadores económicos, clubes e federações desportivas.

Trata-se do contributo que a AEP, em parceria com a Oceano XXI - Associação para o Conhecimento e Economia do Mar, pretende dar para que o país possa rentabilizar o enorme potencial do seu território hídrico (2.830 quilómetros de costa atlântica e 620 quilómetros quadrados de bacias em águas interiores). O projecto está em execução até meados do próximo ano e foi desenhado numa lógica agregadora, para promover o envolvimento de todas as entidades relacionadas com um universo de interesses identificado pela sigla MAR: mar, albufeiras e rios.

Isto mesmo foi realçado na recente apresentação pública do projecto, no I Encontro Portugal Náutico, que teve lugar, na Exponor, em Matosinhos, durante o 4.º Fórum do Mar. Em encontro prévio, o secretário de Estado do Mar, Manuel Pinto de Abreu, ficou a conhecer as acções e os propósitos da iniciativa, que lhe mereceu todo o apoio.

Na mesma ocasião, o arquitecto naval português radicado em Inglaterra Tony Castro, que se tem notabilizado na cena náutica internacional pelas suas arrojadas embarcações de recreio, aceitou ser o embaixador do projecto, ajudando a promover o nosso país além-fronteiras.
Ler mais/Fonte: economico.sapo.pt

 

 

   

Pág. 1 de 4

Produtos

Visita Nautique - Presentes do Mar em ShopMania

Promoções

Sino latão 90mm Sino latão 90mm
Era: 24,59€
22,13€

Sino latão 120mm Sino latão 120mm
Era: 35,15€
31,64€

Sino latão 50mm Sino latão 50mm
Era: 8,77€
7,89€

Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
banner_facebook_web