Autenticação

Julho 2010

IV Concurso de Fotografia Digital “Lagos é Natural”

folhetoO concurso tem como objectivos mobilizar as pessoas para a observação do meio natural e desenvolver a consciência para a valorização do património natural e preservação do ambiente. Os temas: “Lagos é Natural”; “A Biodiversidade”; “O Homem e o Mar”; “Mundo Submerso” convidam, quer à exploração do litoral de Lagos e do seu património, como ao registo dos valores naturais noutros pontos do país, consoante o tema escolhido. A recepção das fotos enviadas por e-mail começa em 1 de Julho e termina em 10 de Setembro de 2010. Fonte: caisdosul.blogspot.com

 

 

Noticias do Porto de Sines

portosinesLídia Sequeira, presidente do conselho de administração do porto de Sines, disse hoje que a China é um mercado estratégico para o porto português e manifestou o desejo de levar mais armadores para a infra-estrutura nacional. "Hoje, no shipping mundial, os crescimentos maiores de tráfego são com origem e destino no Oriente, e na China em particular", disse Lídia Sequeira à agência Lusa no final do primeiro de dois seminários realizados no centro de negócios do pavilhão português na Expo 2010, em Xangai, na China. A responsável realçou a importância de o porto de Sines ter "um serviço direto, todas as semanas, da China", mas reconheceu que gostaria de "ter mais serviços de outras companhias".

Lídia Sequeira explicou que é relevante que estes serviços façam "os principais portos da China e passem em Singapura" e, "depois, o primeiro porto de escala na Europa", seja o de Sines. Reiterando a "ambição" do porto de Sines ser "a porta atlântica da Europa", o tema dos seminários que decorrem na Expo 2010, a presidente do conselho de administração referiu a este propósito que a infra-estrutura tem vindo a crescer, apontando igualmente um conjunto de melhorias no porto, de que destacou o funcionamento 24 horas por dia, sete dias por semana.

O seminário, organização conjunta da aicep Global Parques e PSA Sines, que opera o terminal de contentores do porto de Sines, contou hoje com a participação de cerca de 70 pessoas, entre empresários e representantes de instituições de Xangai ligados à atividade portuária. Fonte: Cargo News em joseantoniomodesto.blogspot.com

 

O Fenómeno dos mares

phenomenonHá duas possibilidades de você conhecer Al Copeland. Se gostar muito de comida, principalmente gordurosa, bem gordurosa, talvez já tenha ouvido falar na rede de fast-food americana Popeyes Chicken and Biscuits. Foi fundada por ele.

Não ajudou muito? Que tal cair no mar e tentar acompanhar in loco a uma corrida de lanchas? Bom, poderia ser perigoso, ainda mais se Al Copeland resolvesse cruzar o seu caminho. O empresário fez muito sucesso nas águas entre as décadas de 70 e 80, justamente o auge da modalidade nos Estados Unidos.

Hoje, seus feitos são apenas história. Portanto, não importa se você não o conhece. A memória dele, de alguma forma, permanece viva. Através sobretudo de seu filho, Al Copeland Jr., que se esforça para que suas façanhas não sejam esquecidas.

Desde que viu seu pai partir, em março de 2008, vítima de câncer, Al Jr. tem se dedicado a realizar os dois últimos desejos de seu eterno inspirador: descobrir a cura da doença e bater o recorde de velocidade no mar.

O primeiro objetivo ainda está um pouco distante. Mas o mais velho dos irmãos Copeland tem feito sua parte. Com a Fundação Al Copeland, vem conduzindo pesquisas e ajudando pessoas que sofrem com a enfermidade.

O segundo é mais palpável, pode-se dizer. E tem até previsão para ser atingido: início de julho. É quando Al Jr. pretende derrubar a marca de 354.85 km/h estabelecida por Dave Villwock. Não é uma tarefa fácil. Mas o homem dos negócios que, no mar, se transforma em piloto sabe com quem contar nesse desafio: o Fenômeno.

Não o atacante corintiano, claro. Esse é o nome - aqui, não apelido - de uma lancha, na verdade. Não é qualquer lancha. É uma lancha que, por muito tempo, foi sonhada por Al Copeland. Mas ele não pôde viver para vê-la escorregar pelas águas. Participou dos dois primeiros anos de sua construção. Foi, então, que teve diagnosticado o câncer. Oito meses depois, viria a perder essa batalha.

Mas o seu sonho se seguiria. E seria revelado em novembro do ano passado. Um possante dos mares que, se chama a atenção por sua multiplicidade de cores, não deixa por menos quando o assunto é velocidade. Pouco mais de 11 toneladas distribuídas em 17 metros de comprimento e impulsionadas por 4 motores e 12 mil cavalos. < br/> Não é pouca coisa, Al Copeland Jr. sabe disso. Ao contrário de seu homônimo brasileiro, o Fenômeno pode ir rápido, muito rápido. Algo em torno de 418 km/h. Para se ter uma ideia, um Boeing 737 voa a 804.67 km/h. É a resposta moderna ao famoso Titanic, sem Jack, Rose e o infame iceberg pela frente. Ao menos é o que esperam seus criadores.

Os primeiros testes não foram muito animadores. A lancha já esteve por sete vezes no mar. E após cada um delas, teve que ser recolhida para reparos e acertos. Mais preocupação para Liz, esposa de Al Jr., um dos que estará em seu interior quando o recorde de velocidade na superfície tentar ser quebrado. A outra será Scott Burnhardt. Poderiam ser mais quatro. Todas confortavelmente acomodadas em poltronas fabricadas com inspiração na Nascar. < br/> Nascar, Boeing - brincadeira à parte, alguns dos engenheiros vieram de lá -, mas como fazer para manter a lancha em águas seguras, longe das tão temidas ondulações? Bem, esse é o papel da asa canard instalada no convés. Ela tem como objetivo redirecionar o ar quando foi alcançada a velocidade de 289.68 km/h. Tudo em prol da segurança que tanto aflige a dedicada Liz.

Não resta dúvida. Os americanos já podem bater no peito e dizer: temos o nosso Fenômeno.

Produtos

banner_facebook_web